Tui e Valença promovem Assembleia da Eurocidade “inédita”

A Primeira Assembleia da Eurocidade vai realizar-se segunda-feira, 10 de Fevereiro, no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Valença.

Foto
mdu Marco Duarte

Forças políticas de duas cidades e países distintos vão estar, pela primeira vez, reunidas numa Assembleia conjunta. Tui e Valença vão protagonizar a primeira Assembleia da Eurocidade, que acontece na próxima segunda-feira, 10 de Fevereiro, às 20h, nos Paços do Concelho de Valença. O encontro marca também a primeira vez que uma eurocidade realiza uma assembleia alargada a todas as forças políticas com representação popular nos seus órgãos.

No ano em que se comemora o oitavo aniversário da constituição formal da Eurocidade Valença-Tui, todos os elementos da Assembleia Municipal de Valença e do Pleno da Corporación Municipal de Tui vão reunir-se para debater a agenda comum das duas cidades vizinhas, um “acto pioneiro na Europa”, como descreveu ao PÚBLICO o presidente da Câmara de Valença. Manuel Rodrigues Lopes realça a importância do desenvolvimento de “laços de colaboração e cooperação entre dois povos e duas cidades vizinhas” numa altura “muito complicada” para a União Europeia, com o “Brexit”.

O autarca valenciano está convicto de que a Primeira Assembleia da Eurocidade vai permitir um estreitamento ainda maior das relações já “muito fortes” com Tui. Na sua agenda de trabalhos, Valença leva para a reunião dois pontos principais: a proposta da troca de bandeiras para que sejam hasteadas em todos os actos municipais das duas partes e o estudo da implementação do projecto Unicidade, o plano estratégico iniciado em 2017 com o objectivo de tornar as duas cidades “um espaço conjunto” até 2021. O esforço não ficará por aqui: as duas cidades querem aproveitar os quadros comunitários para 2023 e 2030 para “servir melhor” as comunidades, afirmou Manuel Rodrigues Lopes.

A cooperação entre as duas cidades já contempla o alargamento de benefícios e utilização de serviços aos cerca de 30 mil habitantes das duas cidades, como os Bombeiros Voluntários e a Piscina Municipal de Valença ou o Teatro Municipal de Tui. Para Manuel Rodrigues Lopes, “não há barreiras” para os serviços partilhados. O presidente dá o exemplo da educação, uma área em que “tanto portugueses frequentam infantários e escolas galegas como espanhóis frequentam escolas em Valença”, e dos transportes, em que já está a ser estudada a possibilidade de um transporte urbano transfronteiriço, à semelhança do serviço existente na Eurocidade Chaves-Verín.

Um dos objectivos principais do projecto Unicidade também passa pela melhoria da gestão das cooperações já existentes e eventual gestão partilhada do território. A criação de um Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) próprio seria um grande passo nesse sentido, mas Manuel Rodrigues Lopes não a tem como prioridade, preferindo que a cooperação seja feita entre as várias cidades das eurorregiões.

Sugerir correcção