Kirk Douglas em dez filmes e dez cenas

A última lenda da era de ouro de Hollywood fez filmes com os grandes cineastas e experimentou o western, o peplum, o noir ou a ficção científica. Kirk Douglas morreu na quarta-feira, aos 103 anos.

Foto
Kirk Douglas em A Vida Apaixonada de Van Gogh GETTY IMAGES

O Grande Ídolo (1949), de Mark Robson

Todos os actores trabalham com o corpo, já se sabe, mas a fisicalidade de Kirk Douglas é um dos aspectos que as câmaras mais exploraram na sua carreira. Em O Grande Ídolo, ou Champion, no original, é um pugilista atormentado pela violência e pela corrupção. Foi o primeiro papel de Douglas como protagonista e a sua primeira nomeação para os Óscares, que sempre lhe escapariam. 

Duas Mulheres, Dois Destinos (1950), de Michael Curtiz

Nem sempre se reconhece a capacidade de nuance de Douglas nos papéis de afirmação muito masculina que acabariam por definir a sua carreira. Mas o actor, aqui filmado pelo realizador de Casablanca e contrabalançado por uma igualmente memorável Lauren Bacall, encontra no seu Rick Martin de Duas Mulheres, Dois Destinos (Young Man With a Horn, no original) um lugar emocional em que é um músico, mas também um alcoólico, e uma personagem fulgurante.

O Grande Carnaval (1951), de Billy Wilder

O jornalismo visto por Billy Wilder tem muito que se lhe diga, e Kirk Douglas no papel de um antigo jornalista de renome atirado para uma novela local e para o noticiário sensacionalista, o agitador Chuck Tatum, também. Visado pela censura americana, o filme esteve longe de ser um sucesso de bilheteira, mas ficou para a História. 

Cativos do Mal (1952), de Vincente Minnelli

Hollywood adora olhar para si mesma, mas o espelho que Vincente Minnelli ergue perante o rosto da indústria não mostra um reflexo abonatório. Cativos do Mal deu a Kirk Douglas a sua segunda nomeação para um Óscar de actuação e a Minnelli um dos seus títulos-chave. A dupla é Lana Turner e Kirk Douglas, a história é a de um produtor trapaceiro, Jonathan Shields, e de uma diva alcoólica cujos caminhos se cruzam entre amor e fraude. 

A Vida Apaixonada de Van Gogh (1956), de Vincente Minnelli

Douglas voltou a trabalhar com Minnelli num “biopic” do famoso e atormentado pintor Vincent Van Gogh. Do filme resultou uma cena emblemática em que o actor contracena com Anthony Quinn no papel de Paul Gauguin. Terceira nomeação para o Óscar, terceira derrota para mais um papel de um homem difícil e torturado de Kirk Douglas.

Horizontes de Glória (1957), de Stanley Kubrick

Quem for ao cinema por estas semanas para viver 1917 de Sam Mendes, encontrará uma citação e uma homenagem ao trabalho de Stanley Kubrick sobre as trincheiras e o horror da guerra em Momentos de Glória. Douglas é o coronel Dax, mas, nos bastidores, foi também um dos produtores do filme do emergente realizador britânico. Horizontes de Glória é uma reflexão sobre a Primeira Guerra Mundial mas, mais do que isso, posicionou Douglas como um símbolo das perdas inevitáveis dos conflitos armados. 

Duelo de Fogo (1957), John Sturges

Um western, claro, porque uma carreira de décadas nos anos do studio system não podia contornar o género — Kirk Douglas é Doc Holliday, mais um durão para o rol. Um fora-da-lei adoentado que tem de se bater com o outro protagonista do filme, Burt Lancaster, no papel de Wyatt Earp. Uma dupla tão emblemática como as que encarnou com Bacall ou Kim Novak.

Spartacus (1960), de Stanley Kubrick

Falava-se do físico de Kirk Douglas e este será talvez o seu maior expoente cinemático. Até a morder o tornozelo de um adversário, os dois engalfinhados na terra, o actor atrai a câmara nesta história clássica de “sword-and-sandal” a que, a certa altura, Hollywood não conseguia resistir (e que nas últimas décadas vem tentando emular com resultados tão díspares quanto O Gladiador ou 300). É também o papel pelo qual é mais conhecido. Spartacus é, de novo, uma obra de Kubrick, mas está repleta de história: o seu argumentista, Dalton Trumbo, estava na lista negra do McCarthismo, o que não impediu Douglas, aqui de novo a acumular os papéis de intérprete e produtor, de anunciar que fora ele a escrever este épico. Na altura, até o Presidente John F. Kennedy furou os piquetes da censura para ver o filme, num prenúncio de que os dias da lista negra estavam contados. Originalmente, estava previsto que fosse Anthony Mann a realizá-lo, mas Douglas despediu-o na primeira semana de filmagens (“Parecia amedrontado com a escala”, escreveu na sua autobiografia, The Ragman’s Son).

Um Estranho na Minha Vida​ (1960), de Richard Quine

Um arquitecto com dois filhos com a mulher e um affair com Kim Novak, numa das interpretações mais humanas e ricas de Kirk Douglas. Um dos filmes menos conhecidos do actor numa carreira tão longa, e que alguns críticos consideraram mais próximo da novela, é um objecto especial no percurso de Douglas.

A Fúria (1978), de Brian De Palma

Ultrapassada a era de ouro e anunciado o tempo dos movie brats, a Nova Hollywood abraçava as estrelas de outrora, com De Palma a filmar Douglas num filme de ficção científica em que, aos 60 anos, o actor ainda era tomado, como destaca esta quinta-feira o The New York Times, como “espécime físico”. É um filme de terror, sem preocupações de sofisticação e com John Cassavetes como actor e (spoiler) vilão.