Quase 30% do que a consultora de Vitorino recebeu foi pago por empresa suspeita de corrupção

Entre 2012 e 2018, a empresa que o actual director-geral da Organização Internacional para as Migrações tem com a mulher arrecadou 912 mil euros. Político terá recebido directamente 70 mil euros de uma sociedade de advogados espanhola, que não declarou pagamentos ao fisco de Espanha.

Foto
Rui Gaudêncio

António Vitorino, ex-ministro português e actual director-geral da Organização Internacional para as Migrações (OIM), tem desde final de 2011 uma empresa de consultadoria com a mulher, que terá recebido três transferências de 255 mil euros, realizadas entre 2012 e 2016, por uma sociedade de advogados espanhola, a Morodo Abogados, investigada em Espanha por suspeitas de participar num esquema de corrupção que envolve a petrolífera estatal venezuelana, a PVDSA. O valor recebido pela EMAB Consultores, Lda, detida em partes iguais por Vitorino e pela mulher, representa 28% do total de receitas arrecadadas pela empresa entre 2012 e 2018, segundo os relatórios de contas da empresa a que o PÚBLICO teve acesso.