Palestinianos rejeitam plano de paz de Trump e dizem que Jerusalém “não está à venda”

Presidente palestiniano, Mahmoud Abbas, fala numa “conspiração” entre os Estados Unidos e Israel, e a Organização para a Libertação da Palestina diz que o objectivo do plano é “liquidar o projecto nacional palestiniano”.

Elon Musk
Foto
O Presidente palestiniano disse que "é impossível" aceitar o plano ALAA BADARNEH/EPA

O Presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas, referiu-se ao plano de paz proposto pela Casa Branca na terça-feira como uma “conspiração” entre os Estados Unidos e Israel, e disse que “Jerusalém não está à venda”.

“Dizemos mil vezes não, não, não. Rejeitámos este plano desde o primeiro momento e a nossa posição estava certa”, disse Abbas esta quarta-feira, citado pela BBC.

Nas ruas da Faixa de Gaza, milhares de palestinianos manifestaram-se contra os pontos principais do plano apresentado pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ao lado do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e sem a presença de representantes palestinianos.

De acordo com o plano, desenhado pelo genro de Trump, Jared Kushner, as questões de fundo sobre o conflito de décadas entre Israel e a Palestina ficariam resolvidas a favor de Israel.

Jerusalém é garantida como capital “indivisível” de Israel e a Palestina poderia estabelecer a sua capital numa parte de Jerusalém Oriental, uma região ocupada por Israel na guerra de 1967.

Segundo o Presidente norte-americano, a Palestina “mais do que duplicaria” o seu território actual, uma dimensão que representa, segundo a Organização para a Libertação da Palestina, apenas 15% da “Palestina histórica”.

E, com a promessa norte-americana de reconhecimento oficial de todo o território reclamado por Israel – e a garantia de que “nenhum palestiniano nem nenhum israelita será retirado das suas casas” –, o plano de paz deixa implícito que os colonatos judaicos serão também reconhecidos pelos Estados Unidos como território israelita, contra a posição oficial das Nações Unidas.

O plano de paz da Casa Branca, prometido por Donald Trump ainda durante a sua campanha eleitoral de 2015 e 2016 para a Presidência dos Estados Unidos, não contou com a colaboração das autoridades palestinianas. A decisão foi tomada em Dezembro de 2017, quando Trump anunciou a mudança da embaixada norte-americana de Tel Aviv para Jerusalém.

O afastamento entre as duas partes foi confirmado quando a Casa Branca pôs fim ao programa norte-americano de ajuda aos palestinianos e à sua participação no fundo da ONU para os refugiados palestinianos.

Em reacção ao plano de paz, o primeiro-ministro israelita anunciou que o Governo de Israel vai votar, no domingo, a anexação de 30% dos territórios ocupados da Cisjordânia.

Pelo lado palestiniano, Mahmoud Abbas disse ainda que é “impossível para qualquer palestiniano, árabe, muçulmano ou cristão, aceitar o plano” para um Estado palestiniano sem que Jerusalém seja a capital.

E os islamistas do Hamas, que controlam a Faixa de Gaza, também rejeitaram o plano da Casa Branca, dizendo que o objectivo de Donald Trump é “liquidar o projecto nacional palestiniano”.