Entrevista

Portugueses retirados de Wuhan vão “cumprir voluntariamente as medidas de restrição”

Ricardo Mexia, presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública defende que, por enquanto, não há motivo para alterar os instrumentos que temos para responder à necessidade de um internamento compulsivo por causa do coronavírus que está a preocupar as autoridades de saúde. Mas admite que as coisas podem mudar.