Crítica

Beethoven, imersão total

Para festejar os 250 anos do nascimento do compositor, a Fundação Calouste Gulbenkian decidiu transformar o seu Festival dos Quartetos de Cordas numa integral Beethoven.

,Violino
Foto
O Quarteto Schumann Kaupo Kikkas

O ano de 2020 ainda está no início, mas as comemorações dos 250 anos de Beethoven estão já bem presentes um pouco por todo o lado, sendo raras as temporadas e os festivais, tanto em Portugal como no estrangeiro, que não contemplam a sua música. Tratando-se de uma figura emblemática do cânone da música erudita ocidental e do compositor com mais obras interpretadas anualmente, como tem sido demonstrado em vários estudos, a sua produção é desde há muito uma constante nas salas de concertos, pelo que o ano Beethoven poderá ser também um bom pretexto para discutir tendências arreigadas nas programações e um desafio para mostrar as suas criações em diálogo com outros repertórios ou para proporcionar oportunidades de escuta mais aprofundadas.