Fábrica Confiança: Junta de São Vítor acusa Câmara de Braga de “falta de respeito institucional”

Antes da votação que legitimou a venda da antiga fábrica na Assembleia Municipal de sexta-feira, o presidente da Câmara, Ricardo Rio, anunciou que a Junta de Freguesia de São Vítor, onde se encontra o imóvel, ia votar a favor da proposta, alterando o sentido de voto do passado. O presidente da Junta, Ricardo Silva, defendeu que nenhum sentido de voto pode ser apresentado como um “troféu”.

Foto
Nelson Garrido

Depois de ter aprovado uma proposta de alienação do edifício que acolheu a saboaria e perfumaria Confiança até 2005 por 3,87 milhões de euros, na sessão de 04 de Outubro de 2018, a Assembleia Municipal de Braga viabilizou, na sexta-feira, uma nova proposta de venda, que avalia o imóvel em 3,65 milhões e obriga o comprador a transformar aquela zona numa residência universitária capaz de albergar 300 estudantes.

Apesar da oposição dos deputados do PS, da CDU e do BE, a proposta recolheu 42 votos a favor, 25 contra e quatro abstenções; um dos votos favoráveis foi o da Junta de Freguesia de São Vítor, que alberga a Confiança no seu território e votara contra em Outubro de 2018. O presidente da Câmara de Braga, Ricardo Rio, anunciou essa decisão à Assembleia antes da votação, postura que mereceu as críticas do líder da freguesia mais populosa de Braga (acima dos 30.000 habitantes), eleito pela coligação PSD/CDS-PP, a mesma força política que lidera o município.

Impossibilitado de participar na reunião magna de sexta-feira, por se encontrar no XVII Congresso da Associação Nacional das Freguesias (ANAFRE), decorrido em Portimão, entre 24 e 25 de Janeiro, Ricardo Silva afirmou, nesta segunda-feira, que o presidente da Câmara não devia ter antecipado o sentido de voto da Junta a que preside. “Há aqui uma falta de respeito institucional ao adiantar-se um sentido de voto que tem de ter tramitação própria. Antecipar o sentido de voto da Junta como um troféu não me parece sequer plausível”, disse, na reunião quinzenal do executivo municipal.

Opositor da venda do edifício que acolheu a fábrica criada em 1894, Ricardo Silva frisou que o voto de São Vítor não representa a sua posição pessoal, mas as decisões tomadas por sete dos elementos que compõem a Junta de Freguesia. “O sentido de voto da Junta não é presidencialista. É colegial”, explicou.

Perante as críticas do autarca de São Vítor, Ricardo Rio justificou a revelação que fez na última Assembleia Municipal com a “relevância acrescida” que a posição daquela Junta tem relativamente ao edifício da Confiança, esteja ela contra a venda ou a favor. “Não acho que as minhas declarações ponham minimamente em causa a posição da Junta de Freguesia de alterar a sua posição face ao passado”, observou.

Continuam os protestos contra a venda

A venda do imóvel a privados é um processo que continua a merecer a oposição da Salvar a Fábrica Confiança, plataforma cívica que se manifestou na Assembleia Municipal com algumas dezenas de elementos. No momento em que os resultados da votação foram conhecidos, surgiram cartazes alusivos à venda, nos quais os vereadores municipais apareciam na pele de agentes imobiliários.

Além de defender a criação de um centro cívico e cultural na antiga fábrica, o movimento cidadão critica a própria venda, por considerar que não faz sentido o preço-base apresentado aos privados ser inferior à verba de 3,9 milhões de euros que a Câmara teve de gastar para ter a posse do imóvel, ainda para mais quando já está definido o uso daquele espaço. “Este é um negócio em que os privados não têm qualquer risco e Câmara está a protegê-los”, disse ao PÚBLICO Luís Tarroso Gomes.

Sugerir correcção