Francisco Rodrigues dos Santos é o novo líder do CDS. Moção teve 46% dos votos

Moção de João Almeida, a segunda mais votada, obteve menos 109 votos e ficou-se pelos 39%.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

A moção de estratégia global Voltar a Acreditar, de Francisco Rodrigues dos Santos, ganhou com 671 votos, 46% do total, ficando à frente da proposta de João Almeida (39%), por mais 109 votos.



Filipe Lobo d’Ávila, outro candidato à liderança do CDS, com a moção Juntos pelo Futuro, ficou em terceiro lugar com 209 votos, cerca de 14,5%. Votaram 1449 congressistas.

Com este resultado, Francisco Rodrigues dos Santos terá de apresentar lista à comissão política nacional e aos outros órgãos nacionais. As listas são votadas este domingo de manhã, no segundo e último dia do congresso do CDS, a decorrer em Aveiro.

PÚBLICO -
Foto
Momento antes de serem conhecidos os resultados Paulo Pimenta

Ainda antes da divulgação dos resultados oficiais, mas quando já as informações circulavam nos corredores junto ao pavilhão, Francisco Rodrigues dos Santos entrou na sala, já perto das três e meia da madrugada, rodeado de apoiantes e falou aos jornalistas para destacar que a vitória era do CDS. 

João Almeida, o candidato derrotado, garantiu que não irá apresentar uma lista à comissão política nacional, mas apenas ao conselho nacional. Questionado sobre se está disponível para colaborar com a nova liderança do CDS, o deputado respondeu: “Sempre colaborei com o partido”. Relativamente ao seu mandato de deputado, João Almeida deu a indicação de que se manterá, lembrando que as eleições desta noite não foram para a Assembleia da República. 

Depois de esperar pela divulgação oficial dos resultados, junto ao palco do pavilhão do congresso, Francisco Rodrigues dos Santos fez questão de se dirigir a João Almeida (que estava alguns metros de distância) para o cumprimentar. O candidato vencedor teve ao seu lado o líder da distrital do Porto, Fernando Barbosa, o líder do CDS-Açores, Artur Lima, e o ex-deputado Filipe Anacoreta Correia.

Francisco Lobo d'Ávila, que também só vai apresentar uma lista apenas para o conselho nacional, o parlamento do partido, declarou que havia que “respeitar a vontade do congresso e felicitar o vencedor”. “Continuaremos a dar o nosso contributo nos órgãos próprios”, disse o candidato, acrescentando que recuperar a “credibilidade, confiança dos eleitores e utilidade” continuam a ser objectivos que o mobilizam. Prometeu colaborar com a próxima direcção “pela positiva: concordando, discordando... O partido sabe que conta com a nossa frontalidade”.

O que diz a moção de Francisco Rodrigues dos Santos?

Na moção mais votada pelo 28.º Congresso do CDS, na qual os militantes são tratados por tu, Francisco Rodrigues dos Santos, líder da Juventude Popular (JP), propõe-se devolver a “coerência, previsibilidade e segurança à palavra do CDS-PP, recuperando o património conquistado sob cerco e debaixo de fogo: a âncora da direita no regime, a fronteira de todos os extremismos, o porto seguro dos valores da democracia cristã”.

O advogado, de 31 anos, começa por fazer o diagnóstico do quadro político que levou à derrota da direita nas últimas legislativas, argumentando que “a quadrilha das esquerdas unidas tomou de assalto o sistema parlamentar”, o que exige uma maioria de deputados para formar Governo, e deixou a direita “tomada pelo pânico”.

Entre os valores colocados como fundamentais está o da dignidade humana que “envolve a defesa da vida humana, desde a concepção até à morte natural”, embora sem referir de forma explícita a sua posição sobre o aborto ou a eutanásia. A família é outro pilar em que devem assentar as políticas do CDS, defendeu, prometendo levar ao Parlamento um kit de propostas sobre a matéria.

Sugerir correcção