João Almeida nega que o CDS seja um “partido de privilegiados”

Lobo d’Ávila avisa que não desiste de levar a moção a votos.

Foto
Paulo Pimenta

O candidato à liderança do CDS, João Almeida, fez neste sábado um derradeiro apelo ao partido para que acredite nas suas ideias e no projecto que quer construir com o apoio dos militantes e prometeu um partido “para todos”.

Num discurso muito aplaudido e em que falou de humildade, tentando convencer os congressistas da bondade das suas ideias para o partido, João Almeida defendeu num partido tolerante e” para todos” e garantiu que a sua moção vai a votos.

O candidato e porta-voz do partido, que falava na última ronda de intervenções do primeiro dia do 28.º congresso do partido, disse que o CDS “é de toda a gente”, é da liberdade que “não é de esquerda ou de direita”.

“Para afirmarmos a liberdade contra a esquerda que não nos tolera temos de ser tolerantes cá dentro”, defendeu, retomando uma ideia antes defendida pelo seu apoiante António Pires de Lima, que criticara o líder da Juventude Popular e candidato à liderança do partido, Francisco Rodrigues dos Santos.

O candidato nega que o CDS seja um partido de privilegiados e diz que a direita precisa de uma liderança que – sublinhou – não será sua, “é do CDS”.

Logo depois de João Almeida, Filipe Lobo d’Ávila queixou-se de ter sido alvo de tentativas de condicionamento por “alguns dos mesmos”, que o tentavam colocar “à mesa das negociações”. “Desde o primeiro momento, o condicionamento foi evidente com a teoria do acordo. Esses mesmos de sempre não aprenderam nada com o passado”, disse. O ex-deputado lamentou o tom tenso do congresso. “Parece não ser fácil – depois de tudo o que ouvimos - ser moderado, num clima de crispação que não via há muito tempo”, afirmou.

Reiterando que não desiste de levar a sua moção a votos, Filipe Lobo d’Ávila disse ser o “único que consegue fazer pontes com os outros dois candidatos” e assegurou estar “pronto”, com “todos” a fazerem a sua parte. O crítico da direcção cessante apelou ao voto livre em si próprio, em nome da unidade do partido: “Pelos vistos sou o único capaz de contribuir para a união do partido”.

Sugerir correcção