Opinião

Cartas ao director

Luanda e Lisboa Leaks

Não se admirem com dimensão do Luanda Leaks. Políticos, advogados, banqueiros do arco da governação foram moços de recados de Isabel dos Santos. Portugal está na alta roda da corrupção internacional. Se dúvidas houvesse, enquanto Rui Pinto está em prisão preventiva, a generalidade dos corruptos está na boa vida. A teia montada por Isabel dos Santos atinge inúmeras proporções conhecidas e apoiadas por reguladores e governantes. A todos o poder político angolano liderado por José Eduardo dos Santos encantou a título da necessidade de reforçar as relações luso-angolanas. Enquanto isso, uma em cada cinco crianças angolanas morre antes dos cinco anos.

Ademar Costa, Póvoa de Varzim

Ana Gomes presidenciável?

A que título e com que intenções o ex-eurodeputado do Partido Socialista, Francisco Assis, diz que apoia uma eventual candidatura de Ana Gomes, a Presidente da Republica, presunção completamente descabida, dada a personalidade da citada, muito mais útil na denúncia e combate aos vergonhosos casos que a nossa sociedade está enxameada. É uma combativa, tem a coragem de chamar os bois pelos nomes, sem medo e frontalmente. A Presidência da República requer outros requisitos que nem todos têm tido e que o actual Presidente preenche perfeitamente.

Carlos Leal, Lisboa

Parquímetros na Foz

É inadmissível o que está a acontecer nas freguesias de Aldoar, Nevogilde e Foz do Douro com a colocação de parquímetros. Em zonas comerciais, como é o caso da Senhora da Luz ou a Avenida Brasil, poder-se-á justificar mas em zonas residenciais não tem qualquer sentido mesmo que aos residentes tenha uma avença. Qual a justificação para serem colocados na rua de Timor , na rua do Funchal, na rua de Gondarém bem como na zona envolvente à escola Garcia de Orta? 

Apenas as zonas servidas pelo Metro têm transportes públicos com qualidade e com horários convenientes. Acredito que o objectivo seja fomentar o uso do transporte público. Desenganem-se enquanto por aqui não houver transportes de qualidade. Imagine-se que preciso de ir ao IPO ou Hospital de São João. Na melhor das hipóteses demoro uma hora para cada lado.

O poder central e local encontraram no automóvel a grande fonte de receita. Se o objectivo é reduzir a pegada ecológica, é muito mais eficiente proporcionar habitação dentro da cidade de modo a que as pessoas não tenham de fazer grandes deslocações. Claro que os quadros superiores continuam sem problemas pois tem garagem em casa e estacionamento no local de trabalho. Veja-se o que acontece na Câmara Municipal do Porto, que foi quem implementou este esquema.

António Nicolau Barbosa, Porto