Hospitais britânicos vêm a Portugal recrutar técnicos de saúde

Uma agência de recrutamento anuncia que há hospitais do Reino Unido que vêm a Portugal entrevistar técnicos de radiologia e de análises clínicas em Fevereiro próximo.

Foto
Andre Rodrigues

Já após o “Brexit”, em Fevereiro, há hospitais do Reino Unido que tencionam vir a Portugal entrevistar técnicos de saúde, nas áreas de análises clínicas e imagiológicas, anunciou esta sexta-feira uma agência de recrutamento nacional.

“Porto e Lisboa são os locais onde irão decorrer as entrevistas para Técnicos de Radiologia/Imagem Médica e Radioterapia e para Técnicos de Análises Clínicas e Saúde Pública/Biomedical Scientists, respectivamente”, anuncia a empresa Vitae Professionals que “actua no mercado desde 2011”.

Por enquanto, porém, apenas há datas marcadas para as entrevistas que vão decorrer no Porto - os próximos dias 15 e 16 de Fevereiro - para trabalhar num “hospital universitário do Reino Unido” que a agência de recrutamento prefere por enquanto não identificar, explica Cesária Castro, da Vitae Professionals. O local das entrevistas também ainda não está definido, acrescenta.

Este hospital “procura candidatos da UE [União Europeia], com ou sem experiência, para exercerem funções nos departamentos de TAC/RM [tomografia axial computorizada/ressonância magnética], Convencional e Mamografia”, especifica a empresa no anúncio. Os requisitos não são muito complexos: os candidatos devem ter “um nível mínimo de inglês [ao contrário do que acontece com os enfermeiros, que são obrigados a fazer um teste linguístico exigente], nacionalidade europeia e formação realizada dentro da UE”. 

Já o outro “projecto” — para o recrutamento de técnicos de análise clínicas e de saúde pública — não tem ainda data marcada e as entrevistas serão feitas em princípio em Lisboa, diz Cesária Castro, que não quis especificar também o nome do hospital em causa. 

Os salários oferecidos para os técnicos de radiologia partem das 24 mil libras por ano e garantem contratos com o NHS (o Serviço Nacional de Saúde britânico). Já para os “Técnicos de Análises Clínicas e Saúde Pública/Biomedical Scientists, não se especifica o montante do salário. O que se adianta é que o empregador subsidiará o custo dos primeiros três meses de alojamento, cerca de 2.400 libras, segundo anuncia a empresa. “Mas essa quantia é apenas para aqueles que trabalharem em Londres, que é muito caro”, esclarece Cesária Castro, notando que os responsáveis dos hospitais britânicos “admiram muito a formação dos profissionais de saúde portugueses”, nomeadamente dos enfermeiros.

Neste caso  “ a oferta é para “um dos maiores hospitais de Londres” e exige experiência mínima de 18 meses em Hematologia/Transfusão, bom nível de Inglês e registo (ou possibilidade de registo) no HCPC [Health and Care Professions Council, o órgão oficial que regula o registo dos profissionais de saúde no Reino Unido].

Além do subsídio para os três primeiros meses de alojamento, o hospital oferece a estes profissionais 200 libras para voo e taxas de registo a custear com o HCPC, mais “um subsídio de reinserção de 400 libras no início do contrato. Oferece ainda “um bónus de 500 libras (também no início do contrato) e um bónus de lealdade de mil libras a ser pago após permanência de 18 meses”.

A Vitae Professionals garante que trata de “todo o processo inerente ao recrutamento, sem qualquer custo associado”, e esclarece que a tradução e certificação dos documentos necessários para a inscrição no HCPC pode ser feita pela agência, se o candidato assim o entender, cobrando a empresa por este serviço.

A Vitae Professionals esclareceu que não cobra pelo processo associado ao recrutamento e que os salários a partir de 24 mil libras são para os técnicos de radiologia.