O regresso dos jesuítas ao Bairro Alto é toda uma contracultura

Seis padres jesuítas vão gerir um centro cultural no Bairro Alto. Uma biblioteca, uma revista e uma galeria cruzam cristianismo e cultura.

Fotogaleria
O jesuíta Francisco Mota, director-geral do novo centro no Bairro Alto, na Sala dos Couros, "ex-líbris" do edifício
Fotogaleria
O palácio que já acolheu a Hemeroteca Municipal de Lisboa e cujas obras de restauro e reabilitação foram financiadas em três milhões de euros pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa
Fotogaleria
No novo centro funcionam galeria, biblioteca, uma livraria

São três dias com ambiente de festa no Palácio dos Condes de Tomar, em Lisboa. Quem suba já noite a Rua da Misericórdia, quando ela se começa a transformar no Bairro Alto ao entrar na Rua São Pedro de Alcântara, é mais do que provável que abrande o passo perante o brilho inesperado saído das janelas do palácio que já acolheu a Hemeroteca Municipal de Lisboa. Escancarado, o portão do n.º 3 revela uma escada monumental, com um belíssimo trabalho de estuque nas paredes, e convida-nos a subir até aos salões do primeiro andar, habitados pela família Costa Cabral no século XIX.