Tinder adopta botão de emergência para encontros que corram mal

Utilizadores vão também poder tirar selfies como mecanismo de verificação do perfil.

Foto
Monica Almeida/Reuters

O Tinder, a popular aplicação de encontros, anunciou novas medidas de segurança, incluindo uma funcionalidade de verificação de fotografias, outra para indicar aos amigos do utilizador o local em que este se encontra, e um botão de emergência, que permite ao utilizador enviar um alerta às autoridades caso algo esteja a correr mal num encontro.

As novas funcionalidades de segurança, anunciadas nesta terça-feira, não estão disponíveis em Portugal.

O mecanismo de verificação de fotografias permite que os utilizadores tirem várias selfies, que são depois comparadas com as fotografias de perfil recorrendo a “tecnologia de inteligência artificial assistida por humanos”, explicou o Tinder, num texto publicado no seu site. Se o sistema determinar que as fotografias de perfil são da mesma pessoa que tirou as selfies, o perfil do utilizador será assinalado com um símbolo azul como estando verificado.

Outra das novas opções dá aos utilizadores a possibilidade de partilharem com amigos o local, a data e a pessoa com quem vão ter um encontro. Tal como o botão de emergência, assenta numa plataforma de segurança chamada Noonlight, na qual a Match (a empresa dona do Tinder e de outras aplicações similares) anunciou ter investido.

O Tinder está também a lançar gradualmente um sistema que tenta identificar mensagens potencialmente ofensivas. Quando um utilizador receber uma mensagem destas, a aplicação perguntar-lhe-á se pretende denunciar quem a enviou. Uma funcionalidade chamada Undo vai alertar quem escreve mensagens que possam ser ofensivas e que perguntar-lhes se querem reconsiderar o envio.

O funcionamento é semelhante ao do Instagram, que já alerta que uma publicação pode ser ofensiva ainda antes de ser publicada.

As medidas de segurança surgem depois de, no ano passado, ter deixado de ser obrigatório associar uma conta do Facebook ao perfil do Tinder, passando a ser necessário apenas um número de telemóvel.

Ao longo dos últimos anos, o Tinder tem-se tornado popular em vários mercados, incluindo em Portugal. A aplicação, que faz dinheiro a vender assinaturas que dão acesso a funcionalidades especiais, tinha 5,7 milhões de assinantes em Setembro do ano passado.