Presidente da Câmara da Trofa pede saída do Governo do ministro “alucinado” do Ambiente

Em causa está a extensão do metro até à Trofa, que ficou sem transporte ferroviário em 2002. Ministério diz que está a ser estudada uma solução.

,Metro do Porto
Foto
Paulo Pimenta

O presidente da Câmara da Trofa pediu nesta quinta-feira a “saída” do Governo do ministro “alucinado” do Ambiente, acusando-o de alinhar a extensão do metro do Porto com a sua pretensão a candidatar-se à liderança da câmara daquela cidade.

“João Matos Fernandes, não tendo competências nem conhecendo o país na realidade e estando só a olhar para lóbis, devia era sair do ministério do Ambiente que está a tutelar esta área”, afirmou Sérgio Humberto à Lusa, defendendo a passagem da tutela dos transportes para o ministério das Infra-estruturas, de Pedro Nuno Santos.

O ministro do Ambiente e Acção Climática afirmou no dia 14, em audição parlamentar, comprometer-se a dar indicação, no prazo de uma semana, para um estudo prévio para encontrar uma solução para o fim da linha de comboio da Trofa, o que até à data não se verificou.

Questionado por escrito pela Lusa na segunda-feira, e verbalmente na terça-feira quando compareceu no Porto para participar no anúncio da compra de novas composições para a Metro do Porto, em nenhum dos momentos o ministro respondeu às perguntas.

Sérgio Humberto, presidente da Câmara da Trofa, reagiu ao silêncio do ministro afirmando: “o ministro João Matos Fernandes, para utilizar um termo simpático, é um alienado e um alucinado no Governo”.

“E digo isto, primeiro, porque ele não vive na realidade. Segundo, porque está preocupado em fazer extensões [do metro] na Área Metropolitana do Porto, onde o PS é poder, ou no município do Porto, onde tem intenção de se candidatar à câmara municipal. Terceiro, porque ele não dignifica o cargo que exerce”, acrescentou o autarca da coligação PSD-CDS, que lidera o município da Trofa.

Nesta quarta-feira, relembrando ter sido há uns anos “aprovada por todos os partidos na Assembleia da República a vinda do metro até à Trofa”, Sérgio Humberto enfatizou que, “10 dias depois, este ministro, alucinado e alienado da realidade, teve a lata e o descaramento de dizer: “metro até à Trofa, nunca"”.

O autarca mencionou depois a extensão da linha para Gondomar, para Vila d"Este e a linha da Póvoa de Varzim como exemplos que “fazem sentido”, para recordar que “na Trofa foi retirado um transporte público, que era o comboio, com o objectivo de instalação do metro, assinado pelo Governo e com fundos comunitários”, compromisso que acusou o governante de, ao “não o respeitar, não honrar a política”.

Em face disto, pediu a “saída de Matos Fernandes do Governo”, ao mesmo tempo que defendeu a passagem da tutela dos transportes para o ministério das Infra-estruturas [e Habitação]”.

“O ministro Pedro Nuno Santos tem outra sensibilidade, é um ministro presente, que conhece Portugal, que sabe dialogar e que não vê só a capital. Como disse anteriormente, os políticos não são todos iguais”, apontou o autarca.

A 14 de Julho de 2017, 15 anos depois de ter sido retirado o comboio de via estreita, a Câmara Municipal da Trofa submeteu uma acção contra o Estado Português e contra a Metro do Porto, no Tribunal Administrativo e Fiscal de Penafiel, reclamando o não cumprimento da expansão da linha do metro até à Trofa, que estava consagrada deste no projecto inicial.

Das quatro linhas originárias da primeira fase, projectadas em 1996 no Sistema de Metro Ligeiro da Área Metropolitana do Porto) e construídas pela Metro do Porto, só a linha Campanhã/Maia (ISMAI)/Trofa não foi construída em toda a sua extensão.

Desde Fevereiro de 2002 que o serviço ferroviário na linha da CP da Trofa está encerrado, encerramento justificado, à data, com o argumento de tal permitir a construção da linha do metro, sobre o ramal existente, nomeadamente a ligação da Estação da Trindade (no Porto) à Trofa.

Entretanto, o Ministério do Ambiente revelou que a Metro do Porto está a estudar uma solução para o corredor ferroviário da Trofa, sublinhando ser da área metropolitana a decisão sobre futuros investimentos na expansão da rede. “Tal como foi afirmado no Parlamento, foram dadas indicações à empresa Metro do Porto para a realização de um estudo para o antigo corredor ferroviário da Trofa, que contemple a sua reabilitação física e a eventual instalação de um modo de transporte colectivo”, adiantou, em resposta escrita enviada à Lusa, o Ministério.

Acrescenta que a “decisão sobre os investimentos na expansão da rede de metro e metrobus é agora da Área Metropolitana do Porto (AMP), da qual a Câmara Municipal da Trofa faz parte”. Assumindo que o “estudo agora em desenvolvimento será certamente considerado na solução que a AMP vier a propor”, o Ministério precisou ser, agora, “esta uma decisão dos municípios”.

Contactada pela Lusa, fonte da Metro do Porto adiantou que a empresa se comprometeu nesta quinta-feira a apresentar esse estudo no prazo de quatro meses.

Sugerir correcção