Greta Thunberg a chegar ao Fórum Mundial Económico, em Davos, na terça-feira, 21 de Janeiro
Foto
Greta Thunberg a chegar ao Fórum Mundial Económico, em Davos, na terça-feira, 21 de Janeiro Denis Balibouse/Reuters

Greta Thunberg em Davos: “Praticamente, ainda nada foi feito”

A activista sueca vai discursar esta terça-feira no Fórum Económico Mundial, em Davos, Suíça. Antes, já deixou um alerta: apesar da mobilização pelo clima, “praticamente, ainda nada foi feito” para reduzir as emissões globais dos gases com efeito estufa.

É como um lembrete que desperta a cada conferência internacional: Greta Thunberg voltou a apelar à acção dos líderes políticos e económicos mundiais, desta vez no Fórum Económico Mundial.

"O clima e o ambiente é um tópico quente, neste momento. E muito graças à pressão dos jovens. Mas, se virmos de outra perspectiva, praticamente, nada foi feito, já que as emissões globais de dióxido de carbono não foram reduzidas”, disse a activista pelo clima esta terça-feira de manhã, 21 de Janeiro, em Davos, na Suíça, num painel com outros jovens activistas pelo clima, no arranque do fórum.

Mais tarde, às 12 horas (de Lisboa), a jovem de 17 de anos voltou a discursar, no mesmo dia que Donald Trump, um dos mais vocais negacionistas da crise climática — e do efeito Thunberg, que, pela segunda vez, participa no encontro que reúne 3000 participantes de todo o mundo. 

Há um ano vim a Davos e disse-vos que a nossa casa estava a arder”, leu a activista, recordando a famosa frase que dá título ao livro que conta a história de Greta e da família. Um ano depois, “a vossa inacção está a alimentar as chamas a cada hora”, disse, dirigindo-se aos líderes económicos e políticos reunidos. “Vamos ser claros. Nós não precisamos de uma ‘economia de baixo carbono’. Nós não precisamos de ‘reduzir as emissões’. As nossas emissões têm de parar.”

“Qualquer plano ou política vossa que não inclua cortes radicais de emissões na fonte, começando hoje, é completamente insuficiente” para atingir os objectivos do Acordo de Paris, disse. Os activistas pelo clima foram a Davos "exigir” às empresas, bancos, instituições e governos que “parassem imediatamente” os investimentos e subsídios para explorações de combustíveis fósseis. “Não queremos estas coisas feitas até 2050, 2030 ou 2021. Queremos isto feito agora.”

Davos celebra os 50 anos de reuniões com uma chamada para uma mudança económica justa para um mundo mais sustentável, que se espera que dure para além de sexta-feira, ou seja, do final do encontro cujo tema principal é “agentes para um mundo coeso e sustentável”.

Greta Thunberg marca presença em Davos com outros jovens activistas do movimento Fridays For Future, que se manifestaram na sexta-feira em Lausanne, na Suíça. O fórum vai também homenagear jovens cientistas e investigadores, entre eles Fionn Ferreira, o lusodescente de 18 anos que criou um método para remover os microplásticos nos oceanos, premiado em Agosto último na Google Science Fair 2019.