Avenue 5: somos todos idiotas, até no espaço

Há uma nova série cómica de Armando Iannucci. Passa-se no espaço, tem Hugh Laurie no centro e o primeiro episódio está disponível na HBO Portugal.

Hugh Laurie encabeça <i>Avenue 5</i>, de Armando Iannucci, uma série sobre como ninguém sabe bem o que está a fazer aqui, agora passada no espaço
Foto
Hugh Laurie encabeça Avenue 5, de Armando Iannucci, uma série sobre como ninguém sabe bem o que está a fazer aqui, agora passada no espaço DR

Há mais ou menos 30 anos que o humorista escocês Armando Iannucci tenta mostrar, na sua obra, que ninguém sabe bem o que está a fazer. Um dos satiristas mais respeitados do Reino Unido, o cómico tende a escrever personagens medíocres, muitas delas com algum poder, que mascaram inseguranças com uma atitude combativa e muita profanidade. Depois de anos a fazer sátira política, primeiro em Inglaterra com The Thick of It, série que deu origem ao filme In the Loop, e depois na sua congénere americana, Veep, a série da HBO que criou e à frente da qual esteve até 2015, Iannucci está de volta com uma nova criação, Avenue 5, passada no espaço. Mantém-se o mesmo lema, explicitado no primeiro episódio da série de sketches The Armando Iannucci Shows: “Somos todos idiotas” — “twats”, no bem mais profano original. Até no espaço. 

No centro de Avenue 5, que se passa 40 anos no futuro e se estreou na HBO Portugal esta segunda-feira, o mesmo dia em que se estreia a 10.ª temporada de Calma, Larry!, está Hugh Laurie no papel de capitão da nave espacial comercial que dá nome à série. Aqui, Laurie, que também aparece no vindouro novo filme de Iannucci, The Personal History of David Copperfield, uma adaptação de Dickens, deixa para trás o sotaque americano que tem usado em séries americanas desde House, que também foi ouvido, por exemplo, em Veep e Catch-22, usando o seu sotaque britânico normal. Como é habitual nos universos de Iannucci, o capitão de Laurie é alguém com muito pouca competência para o posto, algo que aqui é ainda mais explícito do que o normal.

A premissa é que aquilo que era suposto ser uma viagem de oito semanas torna-se, por causa de um acidente, numa jornada de três anos. Os funcionários da nave e os passageiros, bem como o dono multimilionário, vêem-se obrigados a ficar à deriva pelo espaço. Logo ao início, suportam-se pouco entre eles, uma animosidade que só é exacerbada por causa do imbróglio em que se meteram. Como seria de esperar, o primeiro episódio, o único disponível, está cheio de frases e piadas citáveis, o que sempre foi um ponto forte da comédia de Iannucci, que assina o guião com dois colaboradores habituais, Tony Roche e Simon Blackwell.

Ao lado de Laurie surgem caras como Josh Gad, muito mais tolerável do que o habitual como o dono da nave, ainda menos inteligente do que as pessoas que o rodeiam, Suzy Nakamura, Lenora Crichlow ou Nikki Amuka-Bird. Além de Laurie, há outros repetentes do mundo Iannucci, como Zach Woods, que apareceu brevemente em Veep e fazia parte do elenco de In the Loop, e Rebecca Front, um tesouro da comédia britânica que colabora com o escocês desde On the Hour, programa de rádio do início dos anos 1990 que deu origem a The Day Today, a seminal sátira noticiosa que o cómico criou com Chris Morris.

Sugerir correcção