Opinião

De olhos bem fechados

Quem conviveu antes com Joacine não se apercebeu das características pessoais que não a recomendavam para o trabalho parlamentar e a representação do partido?

Há pelo menos duas perguntas que, estranhamente, ainda não foram feitas pelos jornalistas (e se por acaso o foram e eu não as vi nem ouvi, peço desculpa) a propósito do conflito entre Joacine Katar Moreira e a assembleia do Livre que, por unanimidade, propôs que lhe fosse retirada a confiança política depois dos sucessivos episódios de desentendimento mútuo: por quem e como foi escolhida Joacine para principal cabeça de lista do partido e como é que se explica a tão bizarra agressividade entre a deputada e os órgãos partidários logo no início dos trabalhos parlamentares?