Google atinge valorização bolsista de um bilião de dólares

A empresa junta-se à Apple e à Microsoft, numa altura em que os mercados estão em alta.

O Google pôde esta quinta-feira celebrar um novo marco em bolsa
Foto
O Google pôde esta quinta-feira celebrar um novo marco em bolsa Reuters/Charles Platiau

O Google, que anunciou recentemente a saída dos fundadores, atingiu uma capitalização de um bilião de dólares, juntando-se assim a um grupo restrito de tecnológicas onde estão a Apple e a Microsoft.

A fasquia foi atingida no final da sessão bolsista desta quinta-feira, quando a cotação da Alphabet (a empresa de topo que agrega os negócios do Google) encerrou nos 1451,70 dólares, valor que representa uma subida de 34% no espaço de um ano.

O marco surge pouco depois de Larry Page e Sergey Brin, que fundaram o Google no final da década de 1990, terem anunciado que iriam deixar a gestão da Alphabet. Os dois empresários, de 46 anos, tinham funções executivas na empresa. O presidente executivo do Google, Sundar Pichai, 47 anos, passou a acumular este cargo com a liderança da Alphabet.

Já os mais recentes resultados da empresa, relativos ao terceiro trimestre de 2019, deram conta de um aumento de 20% nas receitas. “Estou extremamente satisfeito com o progresso que fizemos ao longo do trimestre, dos nossos recentes avanços na pesquisa e na computação quântica até ao crescimento forte de receitas impelido pela pesquisa móvel, pelo YouTube e pelos serviços em nuvem”, disse Pichai na apresentação de resultados, em Outubro.

Na marca do bilião de dólares de valorização bolsista, o Google tem como companhia a Apple, que vale cerca de 1,38 biliões, e a Microsoft, com uma capitalização de 1,27 biliões. A Amazon está próxima, com um valor de 931 mil milhões de dólares.

A subida acontece também quando os mercados bolsistas estão em alta, com os investidores a mostrarem apetite pelas grandes tecnológicas, apesar de questões como as falhas de privacidade, o impacto ambiental e a criação de desigualdades económicas que têm vindo afectar a reputação do sector.

A Apple tem sido uma das estrelas entre os investidores: as acções mais do que duplicaram ao longo dos últimos 12 meses. O desempenho já lançou a discussão entre analistas de mercado sobre se os próximos tempos trarão uma descida das acções ou a continuação da subida, alimentada pela previsível chegada de iPhones com tecnologia 5G e pelas receitas obtidas com os serviços de subscrição e com a venda de equipamentos como os auscultadores da marca, que conquistaram consumidores.