Dívida dos estudantes holandeses aumentou para uma média de 13 mil euros em 2019
Foto
Dívida dos estudantes holandeses aumentou para uma média de 13 mil euros em 2019 REUTERS

Amesterdão vai comprar dívidas dos jovens para que tenham “um bom futuro”

Cerca de 34% dos jovens residentes admitem estar endividados e não conseguir entrar no mercado de trabalho ou investir na educação. O projecto que os ajudará a “recomeçar do zero” será lançado em Fevereiro de 2020.

A cidade de Amesterdão vai assumir as dívidas do seus jovens adultos como parte de um esforço para os ajudar a pagar os estudos. O aumento de pedidos de empréstimos entre os jovens holandeses — problema que afecta não só os Países Baixos como também outros países europeus — está a impedir que concluam os cursos no ensino superior e a atrasar a entrada no mercado de trabalho. 

De acordo com um comunicado da cidade de Amesterdão, cerca de 34% dos habitantes com idades compreendidas entre os 18 e 34 anos estão endividados, mas o município quer “ajudá-los para que possam começar do zero”. “Para a maioria dos jovens amesterdaneses endividados, tudo começou com pagamentos em atraso. Por falta de sorte ou de informação, acabaram numa situação da qual não conseguem sair sem ajuda. Os valores [das dívidas] variam entre o valor de uma conta telefónica em atraso e dezenas de milhares de euros”, lê-se na nota que anuncia a medida.

As negociações vão funcionar da seguinte maneira: uma equipa vai elaborar um plano à medida de cada jovem, focado na procura de um emprego ou no início do seu percurso no ensino superior. O Kredietbank Amsterdam, uma instituição financeira municipal, vai negociar, numa fase posterior, a compra da dívida com os credores. O programa será lançado oficialmente em Fevereiro de 2020.

O devedor original pode pagar a dívida que restar de acordo com a sua capacidade e parte desta pode vir a ser “perdoada”, à medida que o jovem em questão se esforça para encontrar trabalho ou para "aprimorar a sua educação”. O próprio município vai doar 750€ aos credores por cada etapa do programa para "tornar a sua participação mais atraente”.

“A cidade de Amesterdão acredita que todos os jovem merecem uma oportunidade para terem um bom futuro. As dívidas não devem atrapalhar os seus empregos e educação. Infelizmente é isso que acontece em muitos casos. Com esta nova abordagem, queremos dar aos jovens a oportunidade de construir o seu futuro”, refere o município em comunicado.

Nos últimos anos, a dívida dos estudantes holandeses aumentou para uma média de 12.400 euros (em 2015) para 13.700 euros (em 2019). Além deste acréscimo, também o número de pessoas com dívidas referentes à educação ainda por pagar chegou aos 1,4 milhões.