2019 foi o segundo ano mais quente desde que há registos

Dados foram revelados esta quarta-feira pela NASA e a NOAA, a agência norte-americana que estuda os oceanos e a atmosfera.

O planeta tem estado a aquecer década após década, desde os anos 1960
Foto
O planeta tem estado a aquecer década após década, desde os anos 1960 PAULO PIMENTA

O ano de 2019 foi o segundo mais quente desde 1880, altura em que começaram os registos modernos de temperaturas, revelaram esta quarta-feira a agência espacial norte-americana NASA e a NOAA, a agência dos EUA que estuda os oceanos e a atmosfera. Segundo esses registos, o ano passado só foi ultrapassado, em termos de temperatura, pelo de 2016, que se seguiu ao pico do fenómeno climático cíclico El Niño.

Já era público que a última década foi a mais quente de que há registo e ainda esta semana se ficou a saber que o ano de 2019 foi aquele em que a água dos oceanos esteve mais quente na história humana. Agora, a análise aos dados existentes por parte das duas agências norte-americanas vêm confirmar a tendência de aquecimento global de que há muito se vem falando e também a informação de que os últimos cinco anos foram os mais quentes dos últimos 150.

A NASA considera que o ano de 2019 foi 0,98 graus Celsius mais quente do que a média dos anos entre 1951 e 1980. “A década que passou é claramente a mais quente alguma vez registada. Cada década desde os anos 1960 foi claramente mais quente do que a anterior”, disse Gavin Schmidt, director do Instituto Goddard para os Estudos Espaciais, da NASA, no comunicado que revela os actuais resultados.

Já de acordo com os dados recolhidos pela NOAA, o ano de 2019 registou uma anomalia de +0,95 graus Celsius, em relação à média do século XX, enquanto o de 2016, o mais quente registado neste período, atingiu +0,99 graus. A diferença é mínima. O terceiro ano mais quente registado foi o de 2015, quando as temperaturas subiram 0,93 graus Celsius acima da média. O Global Climate Report 2019 desta agência norte-americana refere que aquele ano “marca o 43.º ano consecutivo (desde 1977) com temperaturas da terra e do oceano, pelo menos em termos nominais, acima da média do século XX”.

A NOAA refere ainda que cada um dos meses do ano passado atingiu temperaturas que os colocam entre os cinco mais quentes registados, com Junho e Julho a baterem o recorde.

A temperatura global anual aumentou em média 0,07 graus Celsius por década desde 1880, e mais do dobro disso (0,18 graus Celsius) desde 1981, diz o relatório da NOAA. O relatório refere ainda que a temperatura na região do Árctico está a aumentar a uma velocidade três vezes superior à do resto do mundo, desde 1970.