Vodafone é a empresa com melhor qualidade de serviço no Alentejo

A Anacom analisou a qualidade dos serviços móveis no Alentejo e concluiu que a Vodafone é a empresa com melhor classificação na generalidade dos parâmetros avaliados. A Nos ficou em último lugar em vários indicadores.

mensagem
Foto
A Anacom diz que os serviços de voz registaram um "desempenho adequado", mas a navegação na Internet registou medições inferiores PAULO PIMENTA

É o primeiro de uma série de estudos da Anacom sobre a qualidade dos serviços de comunicações móveis no país e debruçou-se sobre o desempenho das chamadas de voz e da utilização de dados móveis no Alentejo.

Ao todo, foram avaliados cerca de duas dezenas de parâmetros na análise divulgada nesta terça-feira pela entidade reguladora das comunicações.

Na comparação entre os três operadores, a Vodafone conseguiu a primeira posição na quase totalidade dos indicadores definidos pela Anacom.

Já a Nos foi a única empresa a registar a terceira posição – ou seja, a pior – em alguns dos parâmetros avaliados, ficando equiparada com a Meo na maioria dos restantes.

Segundo a Anacom, a análise, cujo “trabalho de campo decorreu de 7 a 28 de Maio de 2019”, abarcou todos os municípios dos distritos de Portalegre, Évora, Beja, e ainda alguns dos distritos de Setúbal e Santarém.

No total, testou-se o desempenho dos serviços em 58 municípios, numa extensão correspondente a 34% da superfície terrestre do país.

De acordo com o estudo, a Vodafone só não registou a melhor classificação nos itens “rácio de terminação de chamadas” e “nível de sinal GSM”. Nestes, foi superada pela Meo.

Nos restantes, como “tempo de estabelecimento de chamadas”, “qualidade de áudio”, “velocidade de transferência de dados”, “duração de transferência de página web”, “resolução de vídeo”, “qualidade de vídeo” ou “latência”, entre outros, a empresa atingiu a primeira posição.

A Meo e a Nos empataram no segundo lugar em diversos dos parâmetros medidos, mas a Nos ficou sozinha no terceiro lugar em dez critérios, entre eles o “tempo de estabelecimento de chamadas”, a “velocidade de transferência de dados”, a “duração das interrupções”, a “qualidade de vídeo” ou o nível de sinal nas diversas tecnologias de comunicações móveis - GSM (2G), UMTS (3G) e LTE (4G).

A Anacom explica que as medições foram “efectuadas de forma sistemática, com procedimentos padronizados e sem intervenção ou decisão humana, e em igualdade de condições para os vários operadores”.

Isso permitiu “a análise objectiva e comparativa dos desempenhos”, assegura o regulador.

Para o estudo, realizaram-se “891 chamadas de voz, 5853 sessões de dados e 55.0597 medições de sinal rádio, correspondendo a aproximadamente 297 chamadas de voz, 325 sessões de dados e 61.200 medições de sinal rádio, por indicador e operador”.

Segundo a Anacom, “foram percorridos 3539 quilómetros, dos quais 342 em testes”.

Serviço de voz melhor do que a Internet

O regulador nota que os sistemas de comunicações móveis analisados “apresentam, em média, boa cobertura rádio GSM, adequada cobertura rádio UMTS e razoável cobertura rádio LTE”, embora tenha sido registado um “pior desempenho nas áreas medianamente urbanas e predominantemente rurais, e entre os operadores”.

“As medições efectuadas para aferir a cobertura rádio captaram alguma variabilidade”. Se por um lado se observaram níveis de sinal de “muito boa” ou “boa” qualidade, noutros casos, os testes ficaram “abaixo dos parâmetros adequados” na tecnologia de quarta geração móvel (o LTE).

Aqui, em “zonas predominantemente rurais”, observaram-se “alguns níveis significativos” de cobertura “inexistente”, em “particular o operador Nos”.

Nesta tecnologia, a Vodafone registou “84% das medições” em níveis de cobertura “muito boa” ou boa”, enquanto a Meo registou 73,7% das medições neste nível de cobertura.

Quanto à Nos, isso só aconteceu em cerca de metade das medições: 52,3%.

Relativamente aos serviços de voz e de transferência de ficheiros, a Anacom considera que “registam bons desempenhos globais, sendo mais visíveis diferenças entre os operadores e entre as tipologias de áreas urbanas ao nível da velocidade de transferência de dados, tanto no download, como no upload

Se por um lado as chamadas de voz mostraram “um desempenho adequado”, sem “diferenças expressivas” entre operadores, as medições “efectuadas para a velocidade de transferência de dados captaram uma elevada variabilidade”.

Obtiveram-se “registos com valores máximos acima de 100 Mbps [Megabit por segundo] e de 50 Mbps, respectivamente para download e upload, e valores mínimos de cerca de 0,004 Mbps, que dificultam ou impossibilitam a transmissão de dados em condições adequadas”.

A Vodafone “apresenta os melhores desempenhos” na velocidade de transferência de dados, “com ritmos médios de 34,10 Mbps e de 14,97 Mbps, respectivamente para download e upload, com diferenças estatisticamente significativas face aos restantes operadores”, refere o estudo da Anacom.

A Meo registou “ritmos médios de 18,11 Mbps e de 9,10 Mbps, respectivamente para download e upload”, e a Nos de “15,83 Mbps e de 6,78 Mbps”.

A análise também concluiu que “os serviços de navegação na Internet e youtube video streaming, e também a latência de transmissão de dados, apresentam desempenhos consideravelmente inferiores” face aos restantes parâmetros analisados, além de serem visíveis as diferenças entre prestadores, bem como entre tipologias de áreas urbanas.

Sugerir correcção