Identificadas moléculas na pele de anfíbios que podem combater doenças humanas

A rã-verde, a salamandra-de-fogo e a rã-ibérica, todas presentes em Portugal, estiveram na mira dos investigadores.

,Sapo de Perez
Foto
Rã-verde Júlio Reis

Um estudo liderado por investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) identificou duas moléculas na pele de anfíbios que podem vir a “contribuir para a prevenção” da leishmaniose, diabetes e doenças neurodegenerativas.

“Até agora, apesar de o projecto ser muito inicial, conseguimos identificar duas moléculas que podem vir a ter potencial antioxidante, o que pode contribuir para a prevenção de algumas doenças”, afirmou, em declarações à agência Lusa, Alexandra Plácido, investigadora do Laboratório Associado para a Química Verde da FCUP, o REQUIMTE.

De acordo com a investigadora, esta descoberta surge no âmbito do VIDA-FROG, um projecto financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo em cerca de 266 mil euros, que tem como objectivo “valorizar a biodiversidade portuguesa” e “descobrir novos fármacos”.

“O objectivo final deste projecto é a descoberta de novos fármacos, quer sejam antimicrobianos ou antioxidantes, que têm a vantagem de ter um baixo custo de fabrico e que podem ajudar a resolver alguns problemas, quer seja em termos de doenças negligenciadas como é o caso da leishmaniose, quer da diabetes ou na prevenção de doenças neurodegenerativas”, frisou Alexandra Plácido.

Desde Abril de 2019, os investigadores têm, por isso, vindo a centrar-se no potencial de três espécies de anfíbios que habitam em Portugal: a rã-verde (Pelophylax perezi), a salamandra-de-fogo (Salamandra salamandra) e a rã-ibérica (Rana iberica).

“Temos feito expedições na serra de Valongo, no Parque Natural da Peneda-Gerês e nas ilhas de São Miguel e de Santa Maria, no arquipélago dos Açores”, referiu Alexandra Plácido, adiantando que essas viagens visam “recolher material biológico”.

Através de “técnicas não invasivas”, e “sem infringir sofrimento nos animais”, os investigadores aplicam “uma voltagem baixa” aos anfíbios com o intuito de provocar neles uma contracção muscular, isto é, simular aquilo que sentem “perante um predador”. “A contracção muscular faz com que o animal liberte as secreções que tem nas glândulas cutâneas. Portanto, no campo, colectámos essas secreções e deixamos o animal no seu habitat, sendo que, depois, o trabalho é maioritariamente laboratorial”, explicou.

Foi deste trabalho laboratorial, assente no isolamento e caracterização das amostras recolhidas nas expedições, que os investigadores conseguiram identificar estas duas moléculas com potencial terapêutico.

Alexandra Plácido revelou ainda que os investigadores estão agora a dar início aos ensaios biológicos com células do sistema nervoso central, para “estudar mais a fundo a questão e perceber de que forma é que as moléculas poderão proteger contra algumas doenças”.

Neste projecto, que tem a duração de três anos, estão também envolvidos investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) da Universidade do Porto, do Instituto de Medicina Molecular da Universidade de Lisboa, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa e das universidades de Brasília e de São Paulo, no Brasil.