Entrevista

Bebés que nascem de cesariana têm riscos acrescidos de ter asma, diabetes e obesidade

As sociedades científicas internacionais dizem que as elevadas taxas de cesarianas constituem “um problema de saúde pública”, diz Diogo Ayres Campos, secretário-geral da Federação das Sociedades Portuguesas de Obstetrícia e Ginecologia. Há consequências tanto para a mulher como para a criança, avisa.

Foto
Diogo Ayres de Campos: "Todas as sociedades científicas dizem que este é um problema de saúde pública" Nuno Ferreira Santos

Profissionais menos experientes e equipas mais depauperadas “geralmente têm tendência a ter uma taxa de cesarianas maior”, afirma Diogo Ayres de Campos, secretário-geral da Federação das Sociedades Portuguesas de Obstetrícia e Ginecologia e ex-presidente da Comissão para a Redução da Taxa de Cesarianas. A comissão conseguiu que a taxa de partos cirúrgicos baixasse para níveis considerados aceitáveis nos hospitais públicos, na sequência de medidas que passaram, entre outra coisas, por equiparar o valor do pagamento dos partos normais e das cesarianas no Serviço Nacional de Saúde.