Fotogaleria
Reuters
Fotogaleria
Reuters

Cenouras e batatas-doces lançadas por helicópteros para alimentar animais

Na Austrália, a operação Rock Wallaby tem permitido que milhares de animais sejam alimentados a partir de helicópteros, a partir dos quais são lançados vegetais.

Milhares de quilos de comida têm sido entregues a animais afectados pelos incêndios na operação Rock Wallaby, segundo o ministro da Energia e do Ambiente do estado de Nova Gales do Sul, na Austrália. No Twitter, durante o fim-de-semana, Matt Kean informou que os tubérculos têm constituído a maioria das provisões fornecidas. “É uma das estratégias-chave que estamos a implementar para promover a sobrevivência e recuperação de espécies em perigo”, justificou.

As largadas foram possíveis dada a descida de temperaturas do fim-de-semana e vão continuar até “recursos alimentares naturais e água suficientes” voltarem a estar disponíveis. Os alimentos foram distribuídos, a partir de helicópteros, sobre os vales de Capertee, Wolgan, Kangaroo e Jenolan, e sobre os parques ncacionais de Yengo, Oxley Wild Rivers e Curracubundi.

O serviço responsável pelos parques nacionais e pela vida selvagem da Nova Gales do Sul tem direccionado os esforços para ajudar a população de wallabies (marsupiais mais pequenos do que os cangurus), naquela que tem sido uma das regiões mais afectadas pelos incêndios. Segundo Chris Dickman, professor na Univerisade de Sydney, 800 milhões de animais já terão morrido e mais de mil milhões terão sido de alguma forma afectados. Especialistas em preservação animal apontam para que algumas espécies se tenham, inclusive, perdido por completo.

Milhões de hectares já arderam desde Setembro — numa área total comparável à de Portugal — e 28 pessoas morreram; quase duas mil casas ficaram destruídas. O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, já declarou ser necessária uma comissão de inquérito sobre os incêndios. O ano de 2019 foi o mais quente e seco no país desde que existem dados; 18 de Dezembro foi registado como o dia mais quente de sempre.

Sugerir correcção