Palcos da semana

Lisboa recebe a rainha da pop e uma ópera política. No Porto, encenam-se vícios da sociedade ocidental. Setúbal põe jazz a circular. Em Loulé, o foco está no cinema social.

,Madame X
Foto
Madonna DR

Música
Madame Lisboa

Chegou o momento de ver Madonna apresentar Madame X em Lisboa, a cidade onde viveu, absorveu toda a espécie de referências para esse álbum e conviveu (e colaborou) com músicos como Dino d’Santiago, Celeste Rodrigues, Fábia Rebordão, Ricardo Toscano, as Batukadeiras de Cabo Verde, Gaspar Varela ou Miroca Paris – os três últimos recrutados para esta digressão. Em nome de um registo mais intimista, as grandes arenas cedem lugar a salas de dimensões menores do que é habitual para o séquito da rainha da pop. É no Coliseu dos Recreios, multiplicado por oito datas, que arranca a manga europeia de um périplo que já sofreu alguns cancelamentos e adiamentos por questões de produção e de saúde.

 

PÚBLICO - <i>The Sleeping Thousand</i>
The Sleeping Thousand Patrick Berger/Artcompress
PÚBLICO - <i>The Sleeping Thousand</i>
The Sleeping Thousand Patrick Berger/Artcompress
PÚBLICO - <i>The Sleeping Thousand</i>
The Sleeping Thousand Patrick Berger/Artcompress
PÚBLICO - <i>The Sleeping Thousand</i>
The Sleeping Thousand Patrick Berger/Artcompress
Fotogaleria
Patrick Berger/Artcompress

Ópera
Pesadelo adormecido

The Sleeping Thousand é uma observação onírica do conflito israelo-palestiniano em forma de ópera sci-fi e política. Da autoria de Adam Maor, com libreto e encenação de Yonatan Levy (ambos israelitas), fantasia uma situação em que mil prisioneiros palestinianos entram em greve de fome. Do outro lado da barricada, as mais altas autoridades, preocupadas com a atenção mediática e a pressão internacional, urdem um plano: induzi-los num sono profundo. O resultado é inesperado: os habitantes de Israel começam a sofrer de recorrentes pesadelos, insónias e outros distúrbios do sono. Solução: enviar uma agente infiltrada à “paisagem de sonhos” dos prisioneiros... A interpretação está a cargo do ensemble United Instruments of Lucilin; a direcção musical, de Elena Schwarz. Os papéis principais são ocupados pelo barítono Tomasz Kumiega, a soprano Gan-ya Ben-gur Akselrod, o baixo David Salsbery Fry e o tenor Benjamin Alunni

 

PÚBLICO - <i>Western Society</i>
Western Society David Baltzer
PÚBLICO - <i>Western Society</i>
Western Society David Baltzer
PÚBLICO - <i>Western Society</i>
Western Society David Baltzer
Fotogaleria
David Baltzer

Teatro
Século XXI à sala de estar

Consumismo, solidão, alienação, reality tv, stories… Tudo isto entra em Western Society, um retrato da civilização no século XXI que cabe na sala de estar de uma família qualquer, reunida a fazer um vídeo caseiro. A proposta vem do colectivo anglo-alemão Gob Squad, que se dedica a explorar o ponto onde o teatro encontra a arte, os media e a vida real, e que descreve esta investida cénica como simultaneamente “convidativa e isoladora”.

 

PÚBLICO -
Foto
Mário Laginha Miguel Madeira

Música
Jazz a circular 

Em Setúbal reúne-se um cartaz que é praticamente um “quem é quem” do jazz nacional. A nona edição do Círculo de Jazz Fest abre com o trio do pianista Mário Laginha, com Bernardo Moreira no contrabaixo e Alexandre Frazão na bateria, e fecha com o projecto Azul do contrabaixista Carlos Bica, que tem como cúmplices o guitarrista Frank Möbus e o baterista Jim Black. Entre eles, o festival recebe The Rite of Trio, o André Rosinha Trio, o quarteto de Rodrigo Amado, Ricardo Toscano, Hernâni Faustino e João Lencastre, a Big Band Júnior a tocar Bernardo Sassetti (com comentários de Inês Laginha), o duo de Mário Delgado e Carlos Barretto e o quarteto de Desidério Lázaro

 

PÚBLICO -
Foto
Still de Carga

Cinema
Festival social

Tráfico humano, ambiente hospitalar, emancipação e precariedade são alguns dos temas em foco na sexta edição da Monstrare - Mostra Internacional de Cinema Social. Abre com uma série de curtas-metragens que tanto abordam a doença mental (No limiar do pensamento, de António Sequeira) como a crise de refugiados (Egeu, de Tomás Barão da Cunha e Raul Fretes) ou a resistência à ditadura (Direito à memória, de Rúben Sevivas). Nos dias seguintes, projectará as longas Carga, de Bruno Gascon, sobre exploração sexual e escravidão; Doutores Palhaços, de Hélder Faria e Bernardo Lopes, que documenta a Operação Nariz Vermelho; e Made in Bangladesh, de Rubaiyat Hossain, centrado na luta de uma jovem operária têxtil de Daca. Além de filmes, o festival preparou conversas com realizadores e workshops de produção audiovisual dadas pela ShortCutz Faro.

Mais palcos? Por aqui

Guia do Lazer: a sua agenda de teatro, dança, música, festivais e muito mais