“O poder político não quer que se faça um combate sério à corrupção”

Carlos Garcia regressa à presidência da ASFIC/PJ ao ataque. Fala de uma “gravíssima falta de meios humanos”, o que o faz não acreditar nas palavras do primeiro-ministro que disse que o combate à corrupção era uma prioridade.

Foto
Rui Gaudêncio

Carlos Garcia está de volta à presidência da Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal da Polícia Judiciária (ASFIC/PJ). Ocupou o cargo entre 2010 e 2016 e regressa agora, depois de demissão da anterior direcção. E chega denunciando “uma gravíssima falta de meios humanos” na PJ. Uma carência que o fez duvidar das palavras do primeiro-ministro que elegeu o combate à corrupção como uma das prioridades para esta legislatura.