Diego, a tartaruga-gigante que salvou a sua espécie, será libertada depois de ter 800 filhos

Acredita-se que cerca de 40% das crias da ilha Espanhola sejam descendentes deste macho. Diego vai regressar à sua ilha quase oito décadas depois de ter sido retirado. População passou de 15 para 2000 exemplares desde 1960.

,Tartaruga gigante
Fotogaleria
Diego viveu 30 anos no jardim zoológico de San Diego, nos Estados Unidos, antes de ser recrutado para o programa de criação em cativeiro PARQUE NACIONAL DE GALÁPAGOS
Fotogaleria
PARQUE NACIONAL DE GALÁPAGOS

Poucos machos ou fêmeas se podem orgulhar de dizer que salvaram a sua espécie, mas Diego, uma tartaruga-gigante com mais de 100 anos, é sem dúvida um deles. De acordo com uma publicação do Parque Nacional de Galápagos (PNG), acredita-se pelo menos 40% das crias que actualmente estão na ilha Espanhola, nas ilhas Galápagos, no Equador, sejam descendentes de Diego, que já se tornou um símbolo da conservação do arquipélago — será o pai de cerca de 800 tartarugas.

O espécime está entre os 15 adultos reprodutores da espécie Chelonoidis hoodensis que serão devolvidos ao seu habitat natural, a ilha Espanhola, depois de cumprirem o Programa de Restauração de Tartarugas Gigantes (GTRI na sigla inglesa). Diego viveu vários anos no jardim zoológico de San Diego, nos Estados Unidos, antes de ser recrutado para o programa de criação em cativeiro. O macho vai regressar à sua ilha quase oito décadas depois de ter sido retirado.

A avaliação ecológica permitiu concluir que existiu uma “recuperação das condições do habitat e da população de tartarugas” graças ao programa de reprodução em cativeiro da espécie e, assim sendo, as autoridades da ilha decidiram encerrá-lo uma vez que já cumpriu o seu propósito.

“Com base nos resultados do último censo realizado no final de 2019 e em comparação com os dados disponíveis desde 1960, tanto da ilha como da população de tartarugas, desenvolvemos modelos com diferentes cenários possíveis para os próximos cem anos. Em todo concluímos que a ilha tem condições suficientes para manter a população de tartarugas que continuará a crescer normalmente, mesmo sem qualquer nova intervenção”, refere Washington Tapia, director do programa, na publicação. De acordo com a BBC, há pouco mais de 50 anos, existiam apenas dois machos e 12 fêmeas da espécie de Diego na ilha.

O encerramento do programa de reprodução em cativeiro implica o retorno dos 15 adultos (12 fêmeas e três machos) que iniciaram esta semana um processo de quarentena para eliminar sementes de plantas que não são típicas daquela ilha e evitar que estas se espalhem.

“Além da recuperação da população de tartarugas gigantes, que passou de 15 para 2000 graças ao programa, foram implementadas acções de gestão para a restauração ecológica da ilha, como a erradicação de espécies introduzidas e a regeneração de cactos. O projecto Galápagos Verde 2050 ajudou a garantir que os ecossistemas da ilha tenham condições adequadas para apoiar a crescente população de tartarugas”, acrescentou o director do PNG, Jorge Carrión.

O PNG vai manter o programa de reprodução em cativeiro para outras quatro espécies das ilhas Floreana, São Cristóvão e Isabela, que integram o arquipélago a 1000 km da costa equatoriana, considerado Património Natural da Humanidade pela sua flora e fauna únicas. As tartarugas-gigantes, que podem alcançar 225 quilos, são das mais famosas criaturas das ilhas Galápagos, que foram estudadas pormenorizadamente por Charles Darwin, o famoso naturalista inglês do século XIX.

Existem 15 espécies de tartarugas-gigantes no arquipélago, um dos únicos dois lugares no mundo onde vivem; o outro lugar é no atol de Aldabra, nas Seychelles, no oceano Índico. As tartarugas das Galápagos alimentam-se de ervas, folhas, cactos e fruta, mas podem sobreviver durante um ano sem alimentos nem água. Foram caçadas quase até desaparecer por marinheiros que as armazenavam nos navios como alimento durante as longas viagens náuticas.

Sugerir correcção