Peterhansel venceu a quarta etapa do Dakar com ajuda portuguesa

Nas motos, Sam Sunderland (KTM) perdeu a vitória, depois de ser penalizado em cinco minutos por excesso de velocidade.

Sam Sunderland
Foto
Sam Sunderland LUSA/ANDRE PAIN

O francês Stéphane Peterhansel (Mini), cujo navegador é o português Paulo Fiúza, venceu nesta quarta-feira a quarta de 12 etapas do Rali Dakar de todo-o-terreno, e subiu ao terceiro lugar da geral de automóveis.

A dupla luso-francesa gastou 4h04m34s para cumprir os 453 quilómetros da especial que ligou Neom a Al-Ula, com um total de 672 quilómetros, deixando o segundo classificado, o qatari Nasser Al-Attiyah (Toyota) a 2m26s.

O líder da prova, o espanhol Carlos Sainz (Mini), terminou na terceira posição, a 07m18s do piloto do Mini.

Sainz tem agora 3m03s de vantagem para Al-Attiyah, que é segundo, apesar de uma penalização de três minutos, e 11m42s face a Stéphane Peterhansel.

Nas motos, o britânico Sam Sunderland (KTM) perdeu a vitória, ao ser penalizado em cinco minutos por excesso de velocidade. Como reflexo desta penalização, o triunfo foi atribuído ao chileno José Ignacio Cornejo (Honda), que demorou 4h24m51s a cumprir os 453 quilómetros da especial cronometrada, menos 35 segundos do que o novo segundo classificado, o argentino Kevin Benavides (Honda). O português Paulo Gonçalves (Hero) foi creditado com o quarto melhor tempo da tirada​.

Com estes resultados, o norte-americano Ricky Brabec (Honda) manteve a liderança, apesar de ter terminado em sétimo, tendo 2m30s de vantagem sobre o companheiro de equipa Kevin Benavides e 8m31s face a José Ignacio Cornejo.

Por seu lado, Paulo Gonçalves terminou a 2m11s do vencedor, no quarto posto, enquanto António Maio (Yamaha) sofreu uma queda no início da especial, que danificou a sua mota, e perdeu muito tempo para os adversários.

A quinta etapa da 42.ª edição da prova, uma ligação entre Al-Ula e Ha"il, com 564 quilómetros de extensão, 353 deles ao cronómetro, disputa-se na quinta-feira.