Um morto e dois feridos graves após ataque com uma faca nos arredores de Paris

O homem foi, entretanto, abatido pela polícia.

Fotogaleria
Reuters/CHARLES PLATIAU
Carro
Fotogaleria
Reuters/CHARLES PLATIAU

Um homem matou uma pessoa e fez vários feridos, dois dos quais em estado grave, num ataque com uma faca que ocorreu esta sexta-feira, por volta das 14h locais (13h em Portugal Continental) na cidade de Villejuif, no parque Hautes Bruyéres, nos arredores de Paris (a cerca de oito quilómetros). O homem foi, entretanto, abatido pela polícia.

De acordo com o jornal local Le Parisien, as autoridades conseguiram neutralizar o atacante, depois de uma perseguição que os levou até L’Haÿ-les-Roses, a cerca de três quilómetros do local do ataque. 

Várias pessoas terão sido alvo deste ataque à faca que aconteceu num dos parques mais movimentados da cidade, conseguindo escapar ilesas. No entanto, pelo menos três pessoas foram atingidas: duas delas ficaram feridas com gravidade e uma delas acabou mesmo por morrer. De acordo com o presidente da câmara de Villejuif, Franck Le Bohellec, a vítima mortal vivia naquela cidade e tinha 56 anos: “Estava a passear com a sua mulher quando o agressor se aproximou. Ao tentar proteger a mulher, foi ele que recebeu o golpe”, afirmou o autarca. 

De acordo com vários jornais, há pelo menos dois feridos internados em hospitais: um em estado grave e outro ferido sem gravidade. O Le Parisien escreve que os dois feridos são mulheres, uma de 47 anos e outra de 30; já o Le Figaro escreve que se trata de um homem “ferido com gravidade” e de uma mulher. O número de feridos e de mortos não está, ainda, fechado. O estado de saúde das vítimas está a ser “analisado em hospitais diferentes de Val-du-Marne”, afirmou Laure Beccuau, procuradora de Créteil, citada pelo Figaro

Foi aberta uma investigação por “homicídio” e “tentativa de homicídio”. As autoridades estão a interrogar testemunhas para tentar perceber o que aconteceu. Algumas pessoas afirmam ter ouvido “Allah Akbar” antes do ataque. A polícia francesa confirmou no Twitter a existência da operação. Não revelou detalhes, mas pediu à população para se afastar da zona. 

Autor do ataque tinha “problemas psicológicos” e não estava identificado por radicalização 

O autor do ataque — identificado pelas autoridades como Nathan C — “tinha um historial de problemas psicológicos” e não estaria identificado pelas autoridades por radicalização. Apesar disso, foram encontrados alguns objectos religiosos entre os seus pertences, como uma cópia do Alcorão, afirmou um porta-voz dos procuradores a cargo do caso citados pela Reuters. Ainda não se conhecem os motivos do ataque.

De acordo com o jornal Le Figaro esteve no local uma equipa de minas e armadilhas, na sequência de um alerta da polícia, que afirmou ter detectado um colete de explosivos no atacante.

O mesmo jornal francês acrescenta que o secretário de Estado do ministério do Interior, Laurent Nunez, deverá deslocar-se ao local do incidente ainda esta tarde. O acontecimento foi descrito por Nunez como “um ataque” que apenas pôde ser travado graças à “reactividade” e “coragem” de uma equipa da brigada policial de Kremlin-Bicêtre, que conseguiu interceptar o atacante à saída do parque. 

Na zona onde o atacante foi abatido pelas autoridades, várias pessoas ficaram retidas dentro de estabelecimentos comerciais na sequência do alerta policial. “Eu estive lá, dentro do Carrefour... Estou em choque”, afirmou um cliente que explicou ao Le Parisien que passou “pelo menos duas horas” preso no interior da loja, assim como centenas de pessoas. Pelas 16h, começaram a ser distribuídos vários bolos aos clientes. “Estivemos presos sem saber o que se passava”, continuou a mesma testemunha. Apesar disso, os ânimos mantiveram-se “calmos”.

Nos últimos quatro anos, a capital francesa foi abalada por vários ataques, há menos de três meses quatro agentes da polícia foram mortos também num ataque com faca em Paris, que ocorreu no centro histórico da capital francesa, perto da catedral de Notre-Dame. O Bataclan também foi palco de um ataque na noite de 13 de Novembro de 2015. Vários ataques coordenados na capital francesa no maior atentado da última década na Europa fizeram mais de 130 mortos. 

Sugerir correcção