Na Rua das Taipas quase não passa gente e o comércio afunda-se

Obras em São Pedro de Alcântara, que começaram em 2017, tardam em estar concluídas.

Foto
ENRIC VIVES-RUBIO

Desde meados do ano passado que quase não passa vivalma pela Rua das Taipas. Cortada ao trânsito automóvel e pedestre até ao início desta semana, a artéria que permite ligar o Bairro Alto à Avenida da Liberdade foi a vítima colateral das obras no Miradouro de São Pedro de Alcântara, que já levam meses de atraso.

O comércio é pouco e tenta resistir. “Precisamos da rua aberta. Não vem ninguém”, lamenta Ana Luelmo, que gere o restaurante de petiscos Encosta. No início de 2019, Ana e o irmão investiram neste negócio conscientes de que a Rua das Taipas “não é propriamente a mais movimentada de Lisboa”, mas não esperavam o que se seguiu.

Quando o Miradouro de São Pedro de Alcântara entrou em obras para estabilização do terreno, em Maio de 2017, a rua foi cortada e assim se manteve até ao Verão de 2018. Reabriu de cara lavada entre a esquina do miradouro e o edifício da Santa Casa, com asfalto e passeios renovados.

Voltou a fechar em Junho de 2019. Foi por essa altura que começaram os trabalhos de paisagismo na plataforma inferior do miradouro, que antes das obras tinha canteiros ajardinados, bancos, candeeiros, uma fonte e vários bustos em pedra. A intervenção devia ter durado quatro meses, mas já leva seis e não há informação de quando termina.

“Nós ficámos surpreendidos porque isto fechou, abriu e fechou logo a seguir”, conta João Dias da Silva, do snack-bar Jonor. Como já fica na esquina entre a Rua das Taipas e a Rua da Conceição da Glória, o estabelecimento ainda vai tendo algum movimento. “Vendemos uns cafezitos de manhã e à hora de almoço. A partir das duas da tarde, se vier aqui uma dúzia de clientes já é bom”, relata.

Em pior situação tem estado Ana Luelmo, cujo restaurante fica num local onde, nos últimos meses, só passavam mesmo funcionários da Santa Casa e alguns trabalhadores da construção civil. “Temos seis ou sete almoços”, diz a empresária. Um cenário bem diferente do que marcou os primeiros meses do negócio, que superaram as suas próprias expectativas. “No primeiro dia achava vinha uma ou duas pessoas e a casa encheu. Os primeiros três meses correram bastante bem.”

Tanto no restaurante como no snack-bar é a falta de informação que mais irrita os comerciantes. “O passeio podia estar aberto perfeitamente. Vieram uns dois ou três dias antes avisar que a rua ia fechar e não deram nenhuma satisfação”, reclama João Dias da Silva. Também Ana Luelmo questiona “a necessidade de a rua estar fechada”.

O fecho da rua causava incómodo também aos moradores. Se quisessem deslocar-se ao Chiado, ao Bairro Alto ou ao próprio miradouro a pé, eram forçados a dar uma volta bastante maior, via Travessa da Conceição da Glória, e a subir uma longa escadaria.

O PÚBLICO procurou perceber junto de fontes da Câmara de Lisboa quando se prevê a conclusão da empreitada e a reabertura da rua, mas tal não foi possível. O cartaz afixado pela autarquia no local indica um prazo já muito ultrapassado e a partir do miradouro não é possível descortinar o estado das obras, uma vez que se mantém ali uma vedação metálica que impede o acesso à varanda sobre a plataforma inferior.

Notícia corrigida às 10h20 de 3 de Janeiro: Já depois da publicação deste artigo, o PÚBLICO confirmou que a Rua das Taipas reabriu nos últimos dias de 2019, embora continue a aguardar por uma explicação oficial da Câmara de Lisboa