Em três anos deverão abrir mais 180 hotéis em Portugal

Um total de 15 mil novos quartos, aponta estudo da consultora imobiliária Cushman & Wakefield.

Foto
O PortoBay Flores foi um dos novos hotéis de 2019 Manuel Roberto

No ano passado, Portugal viu nascer empreendimentos hoteleiros como a Herdade dos Delgados, junto ao Alqueva, o SUL, nos Açores, o PortoBay Flores, na Invicta, ou os novos Vila Galé no Douro e em Elvas.

De acordo com a consultora imobiliária Cushman & Wakefield (C&W), abriram 60 novos hotéis em Portugal em 2019, num total de 3700 quartos – mais 17% do que em 2018. Cerca de metade da capacidade, acrescenta, surge com a abertura de novos hotéis de cinco estrelas, caso do Pestana Blue Alvor, o maior resort tudo-incluído do país.

para os próximos três anos, estão previstos 180 novos projectos hoteleiros, representando mais 15 mil quartos no total, apontava a C&W numa apresentação de balanço e perspectivas do mercado imobiliário em Portugal.

Entre os empreendimentos na calha até 2023 estão, por exemplo, o Eurostars Aliados, no Porto, com conclusão agendada para o segundo trimestre deste ano, o Enotel Madeira Palácio, no Funchal, cujo edifício deverá estar concluído em Agosto, e o Moxy Lisbon Oriente, na capital portuguesa. Só o grupo Pestana prevê abrir mais dez hotéis este ano, ainda que alguns não entrem para estas contas, por ficarem fora do país.

Segundo a Cushman & Wakefield, a actividade económica do sector hoteleiro estabilizou em 2019, com as dormidas a variarem 0,2% entre Janeiro e Outubro face ao mesmo período de 2018 e os hóspedes a aumentarem 1,9%. Contudo, assinalam, os proveitos totais aumentaram 4,7%.

A Cushman & Wakefield é uma empresa norte-americana, presente em mais de 70 países, que presta serviços de consultoria sobre imobiliário, incluindo gestão de imóveis. Em Portugal, no ano passado, esteve envolvida na venda de edifícios de escritórios em Lisboa, venda de imóveis do Novo Banco e comercialização de espaços de retalho. Ganhou ainda novos mandatos para a gestão de imóveis como o Montijo Retail Park, a Torre Oriente das Torres Colombo (Lisboa) e dois hotéis Exe (do grupo Hotusa) e ainda para a fiscalização e coordenação do projecto de construção do templo de Lisboa da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (igreja Mórmon).