Petição em defesa da Linha do Douro entregue no dia 9 no Parlamento

Um total de 13.500 pessoas subscreveu, quando o objetivo inicial era recolher as 4000 assinaturas necessárias para levar o abaixo-assinado à discussão no Parlamento

Estação de trem Caide
Foto
Andre Rodrigues

A petição com 13.500 assinaturas em defesa da reactivação da Linha Ferroviária do Douro até Barca d'Alva e Espanha vai ser entregue no dia 9, na Assembleia da República, anunciaram hoje os promotores da iniciativa.

A Liga dos Amigos do Douro Património Mundial (LADPM) e a Fundação Museu do Douro lançaram em Junho uma petição pública que reclama a “completa requalificação e reabertura da Linha do Douro”. O objectivo era recolher as 4.000 assinaturas necessárias para levar o abaixo-assinado à discussão no Parlamento.

Os promotores anunciaram hoje que a petição vai ser entregue pessoalmente no dia 9 de Janeiro, na Assembleia da República.

“Inquestionavelmente, o resultado obtido superou as nossas expectativas e demonstra, de uma forma inequívoca e clara, a vontade das populações e associações locais e seus representantes políticos, de que este investimento público seja realizado, a curto prazo”, afirmou, em comunicado, António Marquez Filipe, presidente da LADPM.

Depois das 13.500 assinaturas recolhidas, o responsável mostrou-se convicto de que “o Governo de Portugal não pode deixar de ter em consideração esta expressão cristalina e muito significativa do povo que o elegeu”.

“Pedimos que a questão seja agora aprofundadamente estudada, pelos políticos e especialistas de Portugal e de Espanha, em conjunto com as autoridades de Bruxelas, no quadro de uma nova exigência, quer em termos da necessidade de potenciamento do desenvolvimento económico e social da região do Douro, e particularmente do turismo sustentável e de qualidade, quer em termos de darmos uma resposta concreta aos desafios e constrangimentos no domínio ambiental, particularmente na minimização da pegada de carbono no transporte de pessoas e bens”, salientou.

Os promotores da petição defendem “a relevância da Linha do Douro no quadro dos atributos que levaram à classificação do ADV [Alto Douro Vinhateiro] como Património Mundial pela UNESCO [Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura] e a importância que este projecto tem para o desenvolvimento endógeno do Alto Douro Vinhateiro”.

A petição pública pede aos deputados para “ponderarem e promoverem que seja devidamente contemplado na versão final do Programa Nacional de Investimentos 2030 (PNI 2030), ou em outro instrumento público adequado, o investimento na reabertura, requalificação e modernização de toda a Linha do Douro, até Barca d'Alva”.

O objectivo é ainda que seja “assegurado o investimento na ligação entre Barca d'Alva e La Fuente de San Esteban, na província de Salamanca”, em Espanha.

A ligação internacional foi encerrada a 1 de Janeiro de 1985 e o lanço entre Pocinho e Barca d´Alva fechou em 18 de Outubro de 1988.

Para a entrega da petição vão estar presentes, na Assembleia da República, o presidente da Assembleia-Geral da LADPM, Luís Braga da Cruz, o presidente da Comunidade Intermunicipal (CIM) do Douro, Carlos Silva Santiago, e respectivos vice-presidentes, Domingos Carvas e Nuno Gonçalves, o presidente do Turismo do Porto e Norte, Luís Pedro Martins, e ainda os presidentes da Fundação Museu do Douro, Fernando Pinto, e da LADPM, António Marquez Filipe.