Exposição

O muro de Berlim é hoje um “fantasma” — e ela borda-o para o revelar

Diane Meyer
Fotogaleria
Diane Meyer

Durante sete anos, Diane Meyer andou a bordar o muro de Berlim. Percorreu integralmente os 155 quilómetros do antigo traçado, tanto no centro da capital alemã como nos subúrbios, e fotografou o que viu. Depois, meticulosamente, bordou parte das imagens — uma das suas assinaturas artísticas—, como quem lhes cola pixels. Como que a incluir o digital no analógico. Em muitas delas, essa secção assinala o local exacto onde antes existia uma barreira.

“O bordado aparece como um traço translúcido na paisagem de algo que já não existe, mas é um peso na história e na memória”, refere em comunicado a nova-iorquina Klompching Gallery, que até 10 de Janeiro acolhe a exposição Berlim, assinalando o 30.º aniversário da queda do muro de Berlim. Nela, a artista americana revela pela primeira vez as 43 obras que compõem esta série, que o P3 já tinha aflorado em 2015.

"Estou interessada na natureza porosa da memória e também na forma como a fotografia transforma a história em objectos nostálgicos, aqueles entendimentos objectivos e obscuros do passado", refere Meyer no mesmo documento. "1989 não foi assim há tanto tempo. O muro é hoje quase um fantasma — mesmo não estando lá, ainda o podes sentir."

Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Diane Meyer
Sugerir correcção