TAP entre as companhias aéreas mais seguras do mundo

É a primeira vez que a empresa portuguesa entra na lista da Airline Ratings. Australiana Qantas volta a ser a mais segura.

,Aviação
Fotogaleria
Bruno Lisita
Fotogaleria
Pedro Nunes
Fotogaleria
Pedro Cunha
,Família Airbus A320
Fotogaleria
Reuters/Rafael Marchante
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha

A TAP Air Portugal é a 13.ª companhia aérea mais segura do mundo para 2020, de acordo com a Airline Ratings. É a primeira vez que a transportadora nacional entra na lista, publicada anualmente desde 2014 (primeiro com as dez mais seguras e, desde 2016, alargada ao “top 20”).

O site, que actualmente classifica questões de segurança e de oferta a bordo dos aviões de 405 transportadoras aéreas, lança todos os anos uma lista das companhias aéreas mais seguras do mundo, com base em auditorias, registos de incidentes, lucros, iniciativas de ponta na área da segurança e idade da frota.

A australiana Qantas voltou a ficar em primeiro na lista, posição que ocupa desde a primeira edição do ranking (em 2018, a organização decidiu não atribuir lugares, colocando as 20 companhias ex aequo, mas, ainda assim, a Qantas surgia em destaque nos comentários de Geoffrey Thomas, editor-chefe da Airline Ratings).

No “top 5” das companhias de aviação mais seguras do mundo encontram-se ainda a Air New Zealand, a taiwanesa EVA Air, a Etihad Airways (transportadora de bandeira dos Emirados Árabes Unidos) e a Qatar Airways (que tinha vencidos os “óscares” da aviação em 2019, os Skytrax World Airline Awards). A lista fica completa com Singapore Airlines, Emirates, Alaska Airlines, Cathay Pacific, Virgin Australia, Hawaiian Airlines, Virgin Atlantic, SAS, Royal Jordanian, Swiss, Finnair, Lufthansa, Aer Lingus e KLM.

Segundo a Airline Ratings, estas serão as 20 companhias aéreas que este ano se destacam na indústria e que “estão na dianteira em questões de segurança, inovação e lançamento de novos aviões”. Para além da TAP, estreiam-se entre as companhias aéreas mais seguras do mundo a Qatar Airways e a Aer Lingus.

Pela primeira vez, a japonesa All Nippon Airways sai da lista, assim como a British Airways (tinha falhado apenas a primeira edição do ranking). De fora ficaram também as norte-americanas United e American Airlines.

De acordo com a CNN, o ano caótico da companhia britânica (recentemente classificada como uma das piores do mundo pelos passageiros britânicos) acabou por ditar, em parte, a exclusão da lista. Foi uma “combinação da idade da frota [média de 13,8 anos] e o número de incidentes”, resume Geoffrey Thomas em declarações à CNN. Apesar de não representarem “risco de vida”, “houve muitos [incidentes] em comparação com outras companhias áreas da mesma dimensão”. As restantes deveram-se a alegados casos de intoxicação de pilotos.

Além do ranking geral, a Airline Ratings publicou uma vez mais a lista das dez companhias aéreas de baixo custo “mais seguras e melhores”, sem atribuir qualquer classificação. São elas, por ordem alfabética: Air Arabia, Flybe, Frontier, HK Express, IndiGo, Jetblue, Volaris, Vueling, Westjet e Wizz.

Segundo o site, todas as transportadoras elencadas “passaram na rigorosa auditoria de segurança operacional (IOSA) da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) e têm excelentes registos de segurança”. Refira-se, no entanto, que “muitas companhias aéreas de baixo custo não fazem parte da IATA e optam por não realizar a auditoria”.