As crianças bebem “mais álcool do que leite” em São Tomé e Príncipe

Projecto liderado por uma investigadora portuguesa, o primeiro estudo do género nos PALOP que será publicado na revista Acta Médica Portuguesa, revela um consumo excessivo de álcool pelas crianças e jovens em São Tomé e Príncipe.

Fotogaleria
Isabel de Santiago com crianças são-tomenses DR
Fotogaleria
Alunos no liceu nacional DR
Fotogaleria
A investigadora Isabel de Santiago com o ministro da Justiça de São Tomé e Príncipe e representante da embaixada de Portugal DR
Fotogaleria
A realização dos questionários DR
Fotogaleria
Alunos de São Tomé e Príncipe DR
Fotogaleria
Intervenção preventiva de comunicação em saúde pública DR

A realidade já era conhecida, mas ainda não tinha sido estudada até 2013, quando Isabel de Santiago, da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL), juntamente com uma equipa de especialistas e professores, decidiu analisar o consumo de álcool e drogas por crianças e jovens em São Tomé e Príncipe. Os resultados do estudo são alarmantes e fazem parte de um artigo científico que será publicado em Junho de 2020 na revista Acta Médica Portuguesa