Guterres preocupado com fim da moratória norte-coreana sobre ensaios nucleares

O secretário-geral da ONU afirma esperar que os testes nucleares não sejam retomados, “de acordo com as resoluções relevantes do Conselho de Segurança”.

Foto
António Guterres entende que “a não proliferação continua a ser um pilar fundamental da segurança nuclear global” Reuters/Denis Balibouse

O secretário-geral das Nações Unidas manifestou esta quarta-feira preocupação face ao anúncio do líder norte-coreano, que pretende retomar os ensaios nucleares e de mísseis balísticos intercontinentais, e defendeu a retoma do diálogo com vista à desnuclearização completa daquela península.

Segundo a agência estatal norte-coreana KCNA, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, anunciou o fim da moratória sobre os ensaios nucleares e sobre os ensaios de mísseis balísticos intercontinentais firmada por Pyongyang. 

“Não temos qualquer motivo para continuar ligados unilateralmente a este compromisso”, indicou a KCNA num texto recebido em Seul, numa referência às declarações de Kim Jong-un perante responsáveis do seu partido no poder. “O mundo vai descobrir num futuro próximo uma nova arma estratégica que a Coreia do Norte possui”. 

Numa nota emitida pelo seu porta-voz, e citada pelo portal ONU News, o secretário-geral manifesta preocupação com o anúncio de Kim e afirma esperar “muito que os testes não sejam retomados, de acordo com as resoluções relevantes do Conselho de Segurança.”

Comentando esta reviravolta norte-coreana, António Guterres defendeu a retoma “de um diálogo que leve à desnuclearização completa e verificável da Península Coreana”.

Na ótica do líder da ONU, “a não proliferação continua a ser um pilar fundamental da segurança nuclear global”, pelo que “deve ser preservada”. “O empenho diplomático é o único caminho para a paz sustentável”, frisou.

Em 2018, Kim Jong-un tinha declarado que a Coreia do Norte não necessitava de ensaios nucleares e de ensaios de mísseis balísticos intercontinentais. 

As suas mais recentes declarações parecem contrariar a diplomacia nuclear dos dois últimos anos, com o Presidente norte-americano, Donald Trump, a evocar regularmente a “promessa” do líder norte-coreano. 

No entanto, as conversações entre as duas capitais estão num aparente impasse, depois de a cimeira Kim-Trump, que decorreu em fevereiro em Hanói, ter terminado sem acordo.

Perante o comité central do seu Partido dos Trabalhadores, Kim indicou claramente que a Coreia do Norte está preparada para continuar a ser alvo do regime de sanções internacionais para preservar a sua capacidade nuclear. 

“Os Estados Unidos formulam exigências contrárias aos interesses fundamentais do nosso Estado e adotam um comportamento criminoso”, disse, citado pela KCNA. 

Washington “promoveu dezenas de exercícios militares conjuntos [com a Coreia do Sul] que o Presidente [Donald Trump] prometeu suspender”, enviou ao Sul equipamento militar de alta tecnologia e reforçou as sanções contra o Norte, acrescentou. 

“Jamais venderemos a nossa dignidade”, assegurou, antes de prometer uma “ação siderante para fazer pagar [aos Estados Unidos] o preço da dor infligida ao nosso povo”.

Sugerir correcção