“As interrupções da gravidez por vontade da mulher caíram 28% entre 2011 e 2018”

A directora-geral da Saúde revela os dados sobre as interrupções da gravidez de 2018. A queda continua, e mais de 90% das mulheres que fizeram uma IVG saíram com um método contraceptivo. Sobre a mortalidade materna, Graça Freitas não quis dizer quantas das mulheres vieram encaminhadas dos hospitais privados. E deixou em aberto a possibilidade de a vacina contra o rotavírus não entrar no programa logo em Outubro de 2020.

Foto
Luís Miguel Manso

Graça Freitas foi um pouco mais longe na leitura dos dados que foram recolhidos sobre as 26 mulheres que entre 2017 e 2018 morreram em Portugal na sequência de uma gravidez ou parto. Não quis revelar os dados dos hospitais privados, mas admitiu que tem de começar a haver mais informação para o público sobre todo o sistema de saúde e não apenas do serviço público. Nesta entrevista, a directora-geral da Saúde revela ainda os mais recentes dados sobre a interrupção voluntária da gravidez referentes a 2018. Os números continuam a baixar, tanto em termos absolutos como nos casos em que a interrupção é feita a pedido da mulher até às dez semanas. Sobre as novas vacinas do Programa Nacional, fica um alerta: caso não se consigam definir os grupos de risco a tempo, e baseados na evidência científica, a introdução da vacina do rotavírus será adiada.