Confrontos violentos entre manifestantes e polícia na capital do Chile

Polícia tentou dispersar multidão com canhões de água e gás lacrimogéneo.

Polícia tenta assumir controlo da Plaza Italia
Foto
Polícia tenta assumir controlo da Plaza Italia Reuters/IVAN ALVARADO

Milhares de manifestantes entraram em confronto com as forças de segurança na sexta-feira durante uma manifestação no centro na capital do Chile, abalado há dois meses por uma profunda crise social.

Recorrendo às redes sociais, os manifestantes reuniram-se como é habitual na Plaza Italia, o centro de protestos desde o início dos protestos dos cidadãos contra o Governo de direita Sebastián Piñera.

Como aconteceu há uma semana, quando eclodiram violentos confrontos entre a polícia e os manifestantes, a polícia antimotim assumiu o controlo da praça a meio da tarde (noite em Portugal), procurando dispersar a multidão com canhões de água e gás lacrimogéneo.

Mas depois de quase duas horas de confrontos e depois de um incêndio num centro cultural próximo, milhares de manifestantes finalmente conseguiram chegar ao centro da praça, noticiou a agência de notícias France-Presse.

O movimento de protesto social que abala o Chile desde 18 de Outubro é o maior desde o regresso à democracia em 1990. Os confrontos já provocaram 26 mortos e milhares de feridos.

Um aumento no preço dos bilhetes do metropolitano na capital foi o detonador da revolta social sem precedentes contra o Governo do Presidente, Sebastián Piñera. Apesar da suspensão da medida, o movimento cresceu, alimentado pelo ressentimento diante das desigualdades sociais.