O serviço à mesa está a mudar para o formato software

A digitalização está a mudar restaurantes, com tecnologia que facilita encomendas e pagamentos. Ainda não é fim do empregado de mesa, mas estamos mais perto.

Foto
Jason Lee/Reuters

Miap é uma aplicação que está a ser desenvolvida em Portugal por duas startups estrangeiras que se cruzaram em Lisboa e se fundiram numa só. A fusão aconteceu depois de os quatro fundadores da Hey Waiter e da Miap se terem encontrado por acaso em Novembro, na capital portuguesa, durante a Web Summit. Perceberam que andavam os quatro atrás do mesmo: uma solução para facilitar a vida a restaurantes e respectivos clientes e, de caminho, ganhar dinheiro com tecnologia que ajudasse a optimizar aquela relação comercial entre quem come e quem põe comida na mesa.

Stéphanie Lengelé (belga) e o marido, Sylvain Moreau (francês), mudaram-se para Portugal em Abril. Já andavam a cogitar em algo que tem mexido com diversos empreendedores – as ineficiências que roubam tempo e custam dinheiro no sector da restauração. “Escolhemos Lisboa porque procurávamos terreno ‘neutro’ fora dos nossos países e porque Lisboa tem aquilo de que uma startup como a nossa precisa”, justifica Stéphanie.

Feita a mudança, reservaram lugar na Web Summit 2019. Tal como a portuguesa Sneat, a dinamarquesa QuickOrder, e a francesa Miap – com a qual acabariam por se fundir –, a empresa de Stéphanie e do marido propunha digitalizar tarefas num restaurante. Como na Hey Waiter havia duas pessoas fortes no marketing e na Miap eram fortes na tecnologia, decidiram que tinham de se juntar. “Fundir duas startups não é assim tão fácil. Não há activos, mas há egos e é preciso que todos se entendam”, diz Stéphanie. 

Em pouco tempo, lá se entenderam e apresentaram-se a quatro na Startup Lisboa, na final do concurso de empreendedorismo From Start to Table. Ganharam 10 mil euros, reservados ao projecto vencedor na área de tecnologia para a restauração.

Cruzarem-se na Web Summit mudou-lhes o rumo do negócio, tal como a participação no programa de aceleração da Startup Lisboa lhes facilitou a mudança. “No início do programa éramos dois numa empresa e no final éramos quatro noutra empresa. Acabámos por ter muita ajuda em Portugal, que foi a escolha certa. O apoio da Startup Lisboa foi fundamental, tinham as pessoas certas para nos ajudar naquela fusão.”

Foto
Três ecrãs da aplicação Miap usada pelos clientes para consultar ementas, fazer críticas ou ver que restaurantes já aderiram ao serviço DR

A Miap (vem de miam – o “nham nham” dos franceses – e do gato no logótipo da app, que mia) serve restaurantes, bares e hotéis para pedidos e pagamentos rápidos, em 30 segundos. Está disponível em iOSAndroid e Web e, tal como outras soluções no mercado, pretende simplificar a nossa experiência num restaurante. O cliente chega e aponta a app para um código QR que permite aceder à ementa. Esta é apresentada em seis línguas, com imagens e com críticas e avaliações de outros clientes. Vista a carta, encomenda-se através da app directamente à cozinha e paga-se no momento da encomenda. Depois é só esperar que sirvam.

Por outras palavras, é o serviço à mesa em formato software, um conceito de SaaS (Software as a Service) que, na área da restauração, é ainda um mercado aberto. Ganhará quem conseguir escala mais rapidamente. A Miap começou com Paris e Bordéus, já se estendeu para Lisboa e tem em vista Lyon. É um número ínfimo (20 restaurantes) e há muito mercado por conquistar. 

Stéphanie diz que há vantagens para empresários e clientes. Porque optimiza recursos e torna o serviço mais eficiente, ao mesmo tempo que simplifica a vida dos clientes, que podem ser recompensados com pontos convertíveis em compras por cada utilização, avaliação ou crítica que façam na app. Na Miap, os restaurantes escolhem entre 29 e 59 euros mensais, dependendo se pretendem só ementas digitais ou se querem também a encomenda e o pagamento digital. A isto acresce uma taxa de 3% nos pagamentos com cartão. Para os clientes, a aplicação e o uso é gratuito.

Ainda não é o fim do empregado de mesa, porque é preciso levar a comida à mesa. Mas se alguém tiver por aí um robô que funcione...