Thomas Ostermeier: um provocador à solta no teatro europeu

O encenador alemão visitou em duas ocasiões o Festival de Almada. Actualmente, leva para o palco, em Berlim, uma tetralogia sobre a emergência do populismode extrema-direita e o papel da esquerda nesse contexto.

Foto
Brigitte Lacombe

Há três anos, quando se apresentou em dose dupla no Festival de Almada, Thomas Ostermeier confidenciava ao Ípsilon que não gosta de trabalhar as peças com os autores. E concluía: “De qualquer maneira, sou o único encenador na Alemanha que os respeita [aos autores], por isso eles não precisam de se preocupar quando faço os seus textos. Na verdade, quando se gosta de uma mulher não se quer falar com o pai dela.” A questão levantava-se devido às obras que trazia a Almada: A Gaivota, revisitação do clássico de Tchékhov, e Susn, texto contemporâneo do alemão Herbert Achternbusch. Os espectáculos revelavam as duas correntes que tem seguido desde que, em 1999, assumiu a direcção daquela que é uma das mais importantes casas do teatro europeu: a Schaubühne, em Berlim.