Confirmada rotura de segundo dique em Montemor-o-Velho

A rotura de um dique foi confirmada ao início da noite. Não se trata, no entanto, do mesmo dique que preocupou as autoridades durante a tarde e que motivou o alerta para a possibilidade de evacuação da aldeia de Casal Novo do Rio.

Foto
LUSA/PAULO NOVAIS

Emílio Torrão, presidente câmara municipal de Montemor-o-Velho, confirmou, pelas 22h, a rotura de um segundo dique do rio Mondego na margem oposta a Casal Novo do Rio, que durante a tarde tinha sido evacuada devido ao receio de rotura de um outro dique mesmo junto à aldeia. 

O autarca assegurou, contudo, que a situação se encontra controlada porque “o leito do rio” está a “encaixar bem a água” que está a vazar. O dique que rompeu esta noite, explicou, situa-se na margem esquerda, “do lado oposto a Casal Novo do Rio”, a cerca de 1,5 km. “Vamos continuar a monitorizar a situação”, explicou, admitindo que não fossem necessárias mais evacuações. 

Em conferência de imprensa pelas 19h, em Montemor-o-Velho, o comandante distrital de operações de socorro de Coimbra, Carlos Tavares, adiantou que o reforço do dique junto a Casal Novo do Rio já tinha tido início, estando a ser utilizados sacos de areia e pedra — mas acabou por não ser esse a colapsar. A intervenção continuaria durante a noite. Mas era preciso estar preparado para o pior, pelo que as acções junto da população, “porta-a-porta”, não seriam abandonadas.

O alerta sobre a instabilidade deste dique já havia sido dado durante a tarde deste domingo. “Alertamos a população da zona susceptível a cheias da vila de Montemor-o-Velho para o risco muito elevado de cheia. Aconselhamos que acautele os seus bens e os seus animais, se proteja e recolha uma muda de roupa, medicação e documentos de identificação para a eventual necessidade de, em caso de emergência, evacuação das zonas sensíveis”, refere a informação da Câmara da Montemor-o-Velho.

Em conferência de imprensa pelas 19h, em Montemor-o-Velho, o comandante distrital de operações de socorro de Coimbra, Carlos Tavares, adiantou que o reforço do dique na margem direita já teve início, estando a ser utilizados sacos de areia e pedra. Explicou ainda que é preciso estar preparado para pior, pelo que as acções junto da população, “porta-a-porta”, continuam.

Foto
Reforço do dique em Casal Novo do Rio Sérgio Azenha

O presidente da autarquia, Emílio Torrão, explicou, durante a tarde, que “foi detectado um pequeno aluimento com escorrência na margem esquerda do dique periférico direito” e que, por isso, “a câmara mandou evacuar a povoação de Casal Novo do Rio”. “Existe perigo, por isso mandei evacuar. A água que está acumulada no vale central [zona agrícola entre o canal principal do Rio Mondego e o leito periférico direito] está a fazer pressão sobre o dique e existe perigo de rompimento.”

“Neste momento, não há como dizer que estamos a correr qualquer risco, mas estas escorrências podem provocar alguma fragilidade à margem do dique e criar rotura. Como havia grande concentração de pessoas na zona, foi dada ordem à GNR para as retirar dali”, afirmou, ainda antes da conferência de imprensa, Carlos Luís Tavares.

ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
De Casal Novo do Rio avista-se o dique que colapsou na noite de domingo ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria

Momentos antes da evacuação a Câmara de Montemor-o-Velho lançou um alerta para as populações das zonas baixas da vila e ainda de Casal Novo do Rio e Ereira, na sequência do caudal elevado do Rio Mondego.

“Alerta-se a população das zonas baixas historicamente sensíveis a cheias de Montemor-o-Velho, Casal Novo do Rio e Ereira para tomarem medidas de prevenção e autoprotecção devido ao risco elevado de cheia”, refere uma informação enviada por e-mail da Câmara.

O município aconselha ainda a que se “acautele bens e animais”. Além disso, a autarquia apela à população para que “se proteja e recolha uma muda de roupa, medicação e documentos de identificação para a eventual necessidade de, em caso de emergência, evacuação das zonas sensíveis”.

Pede ainda a Câmara calma e vigilância, e que as pessoas façam “uma lista e recolham os objectos importantes e necessários, nomeadamente documentos de identificação e medicamentos”.

Em caso de necessidade, deve a população dirigir-se para o Pavilhão Municipal de Montemor-o-Velho ou para a Associação Cultural Desportiva e Recreativa da Ereira.

A GNR, por volta das 16h50, retirou da zona do Casal Novo do Rio e Ponte das Lavandeiras as dezenas de pessoas que estavam naquela zona a ver os estragos.