Torne-se perito

Explosão do olival no Alentejo deixa fábricas de bagaço no limite

Falta de planeamento originou a plantação descontrolada de novos olivais e acabou por estrangular a capacidade transformadora das três únicas unidades industriais existentes na região. Os impactes ambientais são enormes.

Os problemas ambientais gerados pelas fábricas têm motivado protestos das populações
Foto
Os problemas ambientais gerados pelas fábricas têm motivado protestos das populações Ricardo Lopes

No Alentejo, mais olival com as mesmas fábricas de extracção de bagaço de azeitona tinha de dar no que deu. Quase se esgotou a capacidade para receber o subproduto produzido nos lagares de azeite a meio da campanha de 2019/2020. E o problema ambiental que a sua actividade gera pode assumir outra amplitude, obrigando as unidades a trabalhar o ano todo, aumentando assim as emissões gasosas e o protesto das populações, como acontece na aldeia de Fortes em Ferreira do Alentejo.