Caudal do Mondego acima do nível de segurança. Coimbra acciona plano distrital de emergência

Autarca de Montemor teme que diques não aguentem e ordenou evacuação de três localidades. A câmara de Coimbra adianta que “é expectável uma situação crítica de cheia” e recomenda à população que se mantenha “em estado de permanente alerta”. Ligação ferroviária entre Coimbra e Figueira da Foz está suspensa devido às cheias. IP3 também está cortado.

,Transporte ferroviário
Fotogaleria
Linha do Norte parcialmente inundada na região de Formoselha (Montemor-o-Velho). Sérgio Azenha
O parque verde do Mondego coberto de água devido à subida do rio, em Coimbra
Fotogaleria
O parque verde do Mondego coberto de água devido à subida do rio, em Coimbra LUSA/PAULO NOVAIS
Fotogaleria
LUSA/PAULO NOVAIS
Fotogaleria
Sérgio Azenha
Fotogaleria
LUSA/PAULO NOVAIS
Fotogaleria
Sérgio Azenha
Fotogaleria
Sérgio Azenha
Fotogaleria
Sérgio Azenha
Fotogaleria
Sérgio Azenha
Fotogaleria
Sérgio Azenha

O caudal do rio Mondego no açude-ponte de Coimbra ultrapassou os limites de segurança de 2000 metros cúbicos por segundo (m3/s) às 9h30 deste sábado, anunciou a câmara de Coimbra, que classifica a situação de “muito crítica”. A jusante, no município de Montemor-o-Velho, o presidente da câmara Emílio Torrão confirmou ao PÚBLICO que foram retiradas mais de duas centenas de pessoas que estavam em risco, na parte baixa de Vila de Pereira, Santo Varão e Formoselha.

Estas duas autarquias, e ainda Lousã, Oliveira do Hospital, Figueira da Foz e Soure activaram todos os planos municipais de emergência. O Plano Distrital de Emergência e Protecção Civil do distrito de Coimbra foi também activado, anunciou a Comunidade Intermunicipal presidida por José Carlos Alexandrino.

À RTP, o presidente da câmara de de Montemor-o-Velho já tinha explicado que a “obra do Baixo Mondego foi concebida para um determinado caudal, que são 2000 m3/s, e esse é limite máximo de segurança”. Ultrapassado esse limite impõem-se medidas cautelares, justificou: “Nós sabemos que se rebentar algum dique, e estamos numa situação em que a qualquer momento pode ocorrer um problema desses, temos dois, três, quatro, cinco minutos no máximo para retirar as pessoas.”

A autarquia de Coimbra, que cita informação da Agência Portuguesa do Ambiente, diz que o caudal do rio tem “tendência de subida durante as próximas horas, sendo a situação muito crítica”. No comunicado à agência Lusa, adianta que “é expectável uma situação crítica de cheia”, recomendando à população que se mantenha “em estado de permanente alerta e a respeitar todas as indicações das autoridades que estão no terreno e sinalização”.

Em Coimbra foi ordenada esta manhã a evacuação do Centro de Estágio Habitacional (Parque de Nómadas), situado no Bolão, e foi também ordenada a evacuação do canil municipal, que se situa no Choupal.

Caudal acima das grandes cheias de 2001

A possibilidade da situação crítica de cheia decorre, entre outros factores, da albufeira da barragem da Aguieira, a montante de Coimbra, no rio Mondego, estar com 94% da sua capacidade, da barragem das Fronhas, no rio Alva, afluente do Mondego estar “no nível máximo de cheia” e ainda da “intensidade elevada e ausência de monitorização do Rio Ceira”, outro afluente da margem esquerda do Mondego.

Este valor de 2000 m3/s está já acima do caudal registado em Janeiro de 2001 (1900 m3/s), altura em que se registou uma das maiores cheias de que há memória no Baixo Mondego, potenciada pela rotura de diques a jusante.

Em declarações à Lusa, o presidente da cooperativa agrícola de Montemor-o-Velho, Armindo Valente, manifestou “grande preocupação” que se possa repetir uma cheia idêntica à ocorrida há 18 anos. Com a rotura dos diques em 2001, o rio Mondego — que corre num canal artificial com cerca de 40 quilómetros entre Coimbra e a Figueira da Foz — saiu do seu leito, inundando várias povoações nas margens direita e esquerda, situação que nunca tinha acontecido desde que o rio foi regularizado no final da década de 1970.

Montemor-o-Velho acciona Plano Municipal de Emergência

Mais a jusante, o risco de cheia levou Montemor-o-Velho a accionar às 7h00 o Plano Municipal de Emergência. A câmara pede “a todos os munícipes que evitem deslocações pelo concelho, principalmente nos locais historicamente mais vulneráveis a alagamentos e inundações rápidas”.

A Estrada Nacional 341, entre a povoação de Granja do Ulmeiro (que pertence ao concelho vizinho de Soure e onde se situa a estação ferroviária de Alfarelos) e Formoselha, está inundada e cortada ao trânsito, a exemplo de uma estrada junto ao rio Mondego entre Formoselha e Pereira.

Também cortadas estão outras seis vias municipais e pontões de acesso entre as duas margens do rio, na zona dos campos agrícolas.

Ligação ferroviária entre Coimbra e Figueira da Foz está suspensa

As inundações na zona de Alfarelos estão a provocar também suspensão da circulação de comboios de longo curso na Linha do Norte, que liga Lisboa ao Porto, e a ligação suburbana entre a Figueira da Foz e Coimbra.

A linha da Beira Alta está também cortada, depois de ao início da noite de sexta-feira um comboio Intercidades ter embatido numa pedra que provocou o descarrilamento da locomotiva ao quilómetro 148, entre Fornos de Algodres e Gouveia.

Neste momento, indica a IP, “decorrem os trabalhos de carrilamento que estão a ser dificultados devido à instabilidade do terreno”. Depois, “será necessário proceder-se a trabalhos de reparação da via. Esta intervenção deverá estender-se ao longo da manhã desta”, estima a IP.

Na linha do Vouga, a circulação está também suspensa entre Sernada do Vouga e Aveiro-Vouga, devido a desguarnecimento da via entre Macinhata e Sernada e a circulação no troço entre Eixo e Eirol devido a inundação de via.

A CP informou na sexta-feira que irá conceder reembolsos aos clientes que tenham comprado bilhetes e pretendam desistir da viagem, devido às perturbações previstas por causa do mau tempo.

IP3 cortado em Penacova

Devido a um deslizamento de terras na zona de Penacova o IP3 está cortado nos dois sentidos entre Espinheira e Penacova, no distrito de Coimbra.

O trânsito está muito condicionado, sendo obrigatório que os condutores que sigam em direcção a Viseu façam um desvio no nó da Espinheira. No sentido inverso o desvio está a ser feito no nó de Penacova/Miro. A estrada nacional 110 é a alternativa recomendada.

Sugerir correcção