PCP pressiona Governo a avançar com mais linhas de metro na próxima década

Recuperado esta quinta-feira pelos comunistas, plano prevê seis novas linhas, numa extensão de 49 quilómetros de rede, num total de mais 54 estações.

Foto
Comunistas exigem mais investimento em transporte público no Grande Porto Nelson Garrido / PUBLICO

Na mesma semana em que o Governo apresentou o Orçamento do Estado para 2020, o PCP faz pressão e propõe um plano de desenvolvimento do Metro do Porto para a próxima década que prevê a construção de seis novas linhas, numa extensão de 49 quilómetros de rede, num total de mais 54 estações. Nas contas do PCP, o valor estimado para esta obra é de cerca de 1500 milhões, sensivelmente metade do montante investido em toda a primeira fase da rede de metro do Porto.

A verba estimada para as linhas que o PCP propõe corresponde, no essencial, “ao valor que o Governo assumiu em 2008 investir no desenvolvimento da rede do metro. Não se trata de exigir nada de novo ou de extraordinário. Trata-se de reclamar do Estado português que honre compromissos que assumiu com esta região e as suas populações”, esclarece o PCP.

“A melhoria e alargamento da rede do Metro do Porto é vital opara o desenvolvimento da região, para a qualidade de vida e de trabalho da sua população e para a melhoria da mobilidade, com inegáveis vantagens económicas e ambientais”, afirmam os deputados do PCP num projecto de resolução que apresentaram esta quarta-feira na Assembleia da República e no qual recomendam ao Governo que “defina como prioritária para a resolução dos problemas de mobilidade da Área Metropolitana do Porto a criação de um audacioso plano de desenvolvimento do Metro do Porto na próxima década”.

O plano de desenvolvimento da rede do metropolitano foi apresentado esta quinta-feira, na estação do metro da Casa da Música, na Avenida de França, na Boavista, a metros do terreno para onde está projectado o El Corte Inglés e o término da futura linha Rosa, entre São Bento e a Avenida de França. O Metro do Porto já fez saber que não dará parecer favorável à proposta da cadeia espanhola para o terreno junto à rotunda da Boavista antes de acertar compensação pela “alteração significativa” que já fez ao projecto da futura linha.

A empresa tem duas linhas para construir nos próximos três anos, mas para além disso, comunistas querem que o Governo aprove um calendário para a concretização do plano e garanta o prolongamento do metro até à Trofa, a partir do Ismai (Maia), devolvendo o transporte a estas populações que há mais de 17 anos ficaram sem comboio, e garanta  linha de Valbom, com ligação ao centro de Gondomar a partir de Campanhã, perspectivando uma ligação futura a Fânzeres que criaria uma rede circular com a linha Laranja na zona oriental do Grande Porto.

Para além destas ligações, o PCP recomenda ao Governo que garanta a linha do Campo Alegre, unindo as estações de São Bento e de Matosinhos Sul; a Linha das Devesas, Gaia com ligação a Vila D`Este, a partir da linha do Campo Alegre, com a perceptiva de ligação com a linha Amarela, criando uma ligação circular entre Gaia e o Porto e ainda a ligação a São Mamede de Infesta, a partir da actual estação Pólo Universitário. O objectivo é estabelecer no futuro uma ligação futura a Matosinhos Sul de forma criando uma ligação circular entre Matosinhos e o Porto. A ligação à Maia, a partir do Hospital de São João, também consta do plano de desenvolvimento que propõe neste caso que o Governo assuma no futuro a junção com a linha do Aeroporto na estação Verdes, criando uma ligação circular com a cidade da Maia”.

Passageiros na linha de Leixões

E porque se trata de um “plano ambicioso”, está também previsto o restabelecimento do transporte de passageiros nos ramais ferroviários de Leixões, no cumprimento da Resolução da Assembleia da República n.º 87/2018, complementado com a criação de um interface intermodal (ferroviário ligeiro, ferroviário pesado, rodoviário pesado e rodoviário ligeiro) na zona Arroteia/Asprela/Hospital de S. João”.

Num documento distribuído aos jornalistas, o PCP recorda que o Governo ficou com a maioria do capital na empresa Metro do Porto, tendo assumido com a região o “compromisso” de prosseguir com investimentos em novas linhas. ”Chegou mesmo a lançar a segunda fase da rede, que deveria ter sido construída até 2018 com ligações à Trofa, Gondomar (Valbom), Laborim, Matosinhos e Porto (linha do Campo Alegre). Mas até hoje ficou tudo por cumprir”, acusa o partido, sublinhando que o que se “pretende é dar continuidade ao projecto do metro, recuperando compromissos de sucessivos governos, tendo presentes estudos realizados e expectativas criadas nas populações”.

O PCP exige que seja cumprido o compromisso do Governo e sejam construídas as novas linhas prometidas, assegurando uma efectiva programação dos investimentos na rede do Metro do Porto para a próxima década que responda às necessidades de mobilidade da população”. Os comunistas lançam um desafio aos restantes partidos para se pronunciarem sobre se consideram necessário definir como prioritária a resolução dos problemas de mobilidade na AMP e a criação deste audacioso plano de desenvolvimento do metro.