Maria Flor Pedroso condena “insinuações, mentiras e calúnias” sobre a direcção da RTP

A jornalista enviou uma carta ao presidente da RTP onde refere que, “face à reiterada exposição pública de insinuações” e “aos danos reputacionais causados à RTP”, põe o seu lugar à disposição.

,Rádio e Televisão de Portugal
Foto
LUSA/JOSÉ SENA GOULÃO

A directora de informação RTP, Maria Flor Pedroso, que apresentou a demissão esta segunda-feira, defendeu que o projecto profissional da sua direcção “nunca cedeu a motivação outra que não a da causa de uma informação livre”.

“O projecto profissional a que esta direcção se entregou, por mim liderada, nunca cedeu a motivação outra, que não a da causa de uma informação livre, isenta, plural e independente”, refere a jornalista na carta enviada ao presidente da RTP, a que a Lusa teve esta acesso. “Face à reiterada exposição pública de insinuações, mentiras e calúnias, à qual eu e a minha direcção somos totalmente alheios, face aos danos reputacionais causados à RTP, considero não haver condições para a prossecução de um trabalho sério, respeitado e construtivo, como tentámos realizar ao longo deste ano de mandato”, sublinha Maria Flor Pedroso.

A directora de informação cessante refere ainda que: “A construção de realidades alternativas a partir de meias verdades, da qual se alimenta um certo tipo de jornalismo no qual não me revejo, é um dos problemas da sociedade actual que precisa de um jornalismo vigoroso e rigoroso, livre e independente, isento e plural para robustecer as sociedades democráticas”.

“Tinha a expectativa de que — quando aceitei o seu convite que muito me honrou — ao escolher uma direcção de enorme valia profissional, diversa nos currículos, nas experiências e no género, formada por jornalistas com provas dadas da sua competência e rigor, de poder contribuir para prestigiar o serviço público de televisão e todos os que nele trabalham”, acrescentou Flor Pedroso, que termina agradecendo ao presidente da RTP, Gonçalo Reis, “pela forma sempre leal e frontal” com que foram “ultrapassando os problemas que iam surgindo”.

O Conselho de Administração da RTP anunciou esta segunda-feira que Maria Flor Pedroso tinha posto o lugar à disposição por considerar não ter “condições para a prossecução de um trabalho sério”, na sequência do conflito com a equipa do “Sexta às 9”, coordenada por Sandra Felgueiras, tendo a administração aceitado por não ter “outra alternativa que não seja aceitar essa decisão”.

A administração liderada por Gonçalo Reis agradece à profissional, destacando tratar-se de uma “jornalista de idoneidade e currículo irrepreensível” e apontando “o trabalho desenvolvido de forma dedicada, competente e séria enquanto directora de informação de televisão da RTP”.

O Conselho de Administração “acredita que a linha editorial que vinha a ser desenvolvida pela direcção, assente num jornalismo objectivo e rigoroso, livre e independente, isento e plural é a matriz de um serviço público de excelência, em absoluto contraste com a crescente tendência para um jornalismo populista e sensacionalista que repudiamos veementemente e que é imperativo combater”, lê-se no comunicado.

A administração liderada por Gonçalo Reis adianta que “nomeará em breve uma nova direcção à qual continuará a exigir a implementação das melhores práticas, para que o jornalismo feito pela RTP seja o mais completo, o mais sério, o mais credível e o mais isento, ao total serviço do público”.

Maria Flor Pedroso colocou o seu lugar à disposição na sequência do conflito entre a equipa do “Sexta às 9”, o que levou o Conselho de Redacção a convocar para esta segunda-feira um plenário de jornalistas sobre o tema.

Em causa está um relato feito pela coordenadora do programa, em 11 de Dezembro, numa reunião com o Conselho de Redacção (CR) a propósito do programa sobre o lítio, em que adiantou que o “Sexta às 9” estava a investigar suspeitas de corrupção no âmbito do processo de encerramento do Instituto Superior de Comunicação Empresarial (ISCEM), que passava pelo alegado recebimento indevido de “dinheiro vivo”.

Nesse âmbito, Sandra Felgueiras acusou Maria Flor Pedroso de ter transmitido informação privilegiada à visada na reportagem [directora do ISCEM, Regina Moreira], o que a directora de informação da RTP “rejeitou liminarmente”, de acordo com as atas do CR e com a posição enviada à redacção pela directora de informação da RTP na passada sexta-feira, a que a Lusa teve acesso. Na posição escrita sobre a “verdade dos factos”, Maria Flor Pedroso garante que “nunca” informou a directora do ISCEM sobre a investigação.

Sugerir correcção