Açores inauguram parque no vulcão das Furnas: um “tesouro natural” recuperado

Depois de “anos de abandono”, o Parque da Grená, 18 hectares de floresta junto à lagoa das Furnas, quer ser a nova atracção turística de São Miguel. Ao longo de um ano de limpezas, foram retiradas “mais de três toneladas de lixo”.

Fotogaleria
Parque da Grená: "vista sobre o vale das Furnas numa das maiores cascatas dos Açores" DR/Parque da Grená
Fotogaleria
Parque da Grená EDUARDO COSTA /LUSA
,Ponta Delgada
Fotogaleria
Parque da Grená EDUARDO COSTA /LUSA
Lago das Furnas
Fotogaleria
Parque da Grená EDUARDO COSTA /LUSA
Fotogaleria
Parque da Grená EDUARDO COSTA /LUSA
Fotogaleria
Parque da Grená EDUARDO COSTA /LUSA
Fotogaleria
Parque da Grená EDUARDO COSTA /LUSA
Lago das Furnas
Fotogaleria
Parque da Grená EDUARDO COSTA /LUSA
Fotogaleria
Parque da Grená EDUARDO COSTA /LUSA
Fotogaleria
Parque da Grená EDUARDO COSTA /LUSA
Fotogaleria
Parque da Grená EDUARDO COSTA /LUSA
Fotogaleria
Parque da Grená EDUARDO COSTA /LUSA

São 18 hectares de floresta num parque por onde passa um curso de água, com uma cascata, e que inclui as ruínas de uma casa senhorial de 1858. 

Destinado a ser a nova atracção da ilha de São Miguel, o Parque da Grená foi inaugurado este fim-de-semana, localizando-se na margem norte da Lagoa das Furnas. 

PÚBLICO - Parque da Grená
Parque da Grená DR/Parque da Grená
PÚBLICO - Parque da Grená
Parque da Grená DR/Parque da Grená
PÚBLICO - Parque da Grená
Parque da Grená DR/Parque da Grená
PÚBLICO - Parque da Grená
Parque da Grená DR/Parque da Grená
PÚBLICO - Parque da Grená
Parque da Grená DR/Parque da Grená
PÚBLICO - Parque da Grená
Parque da Grená DR/Parque da Grená
Fotogaleria
DR/Parque da Grená

“Mais de três toneladas de lixo foram retiradas do local, seguida de um intenso controle das espécies de flora invasora, presentes na Grená, que escondiam o tesouro natural que hoje podemos visitar”, indica-se no site do parque.

O que foi feito até agora, segundo resumiu à Lusa Norberto Botelho, administrador da Feliz Terra, empresa que gere o espaço, representa apenas 10% do investimento. O plano de desenvolvimento do parque inclui a futura recuperação das ruínas da casa senhorial, mas Botelho sublinha também que tudo “está a ser concertado” com as várias entidades responsáveis, já que é necessário respeitar uma série de restrições. 

É “uma teia de zonas sensíveis e de legislações” de protecção da zona envolvente, como o Plano de Ordenamento da Bacia Hidrográfica da Lagoa das Furnas, ou o regime de Parque Natural da Ilha de São Miguel.

Depois de anos ao abandono, o terreno agora gerido pela empresa açoriana Feliz Terra, que era propriedade do Governo Regional dos Açores, foi adquirido por um grupo de investidores estrangeiros em hasta pública por 500 mil euros.

As visitas ao parque custam 10 euros (a partir dos 10 anos), sendo que para residentes, e pelo mesmo valor, cada bilhete equivale a cinco entradas.

O parque está aberto das 9h30 às 17h (no Verão até às 18h). Mais informações no site e Facebook oficiais.

Sugerir correcção