Transporte ferroviário

E o comboio a vapor voltou a apitar no Vouga

Uma composição formada por três carruagens de madeira e uma velha locomotiva de 1923, que apitava e deixava marcado na paisagem rural do Vouga um extenso penacho de vapor, foi a imagem milhares de vezes captada pelos entusiastas da ferrovia e pelos passageiros do comboio histórico que fez este sábado a sua primeira viagem entre Aveiro e Macinhata do Vouga (Águeda).

As carruagens são surpreendentes, com bancos de madeira envernizados e detalhes deliciosos no seu interior, destacando-se, no entanto, os varandins de ferro nas extremidades onde muitos passageiros preferem viajar. Mas a estrela da composição é a velha Mallet E214 que desde as 7h00 da manhã de um sábado invernoso desperta a curiosidade de quem passa pela estação de Aveiro. Está devidamente acesa e as bielas, as rodas, os cilindros estão bem lubrificados. A pressão do vapor é a necessária e de vez em quando solta uns prolongados silvos com que saúda os comboios que passam nas linhas vizinhas, sejam um suburbano do Porto, um Intercidades ou o Alfa Pendular.