A efervescência terrena e telúrica em Vasco Mendonça

Step Right Up reúne três peças orquestrais do compositor português com o selo da Naxos. Uma sedutora porta de entrada num universo musical com uma profunda consciência dramática.

Vasco Mendonça
Foto
Hugo Glendinning

Step Right Up, o concerto para piano que baptiza o álbum com três peças de Vasco Mendonça acabado de lançar pela Naxos, começou por uma imagem que sempre intrigou o compositor: a do piano como corpo estranho, gigante, plantado no meio do palco, diante da orquestra. A imagem de um instrumento de enormes proporções tentando, mais ou menos timidamente, integrar-se numa sonoridade a que não pertence e para a qual é apenas convidado; um solista a tentar relacionar-se com toda aquela massa de som comunal que o rodeia, um músico que chega e partirá sozinho, a tentar alcançar o equilíbrio entre reclamar o brilho das circunstâncias e diluir-se no todo. “Foi sobretudo essa situação dramática, no sentido teatral”, que primeiro guiou a mão de Vasco Mendonça, explica o compositor, para a escrita das primeiras notas do concerto encomendado pelo programa SP-LX (partilhado pela Orquestra Gulbenkian e pela Orquestra Sinfónica do Estado de São Paulo, com apresentações dos dois lados do Atlântico).