Cremilda Medina ao vivo no auditório do PÚBLICO

Cremilda Medina é uma das vozes que tem vindo a salientar-se na onda de novas cantoras cabo-verdianas, numa geração a que pertencem também Elida Almeida, Kadi ou Ceuzany. Nascida na ilha de São Vicente, em 18 de Março de 1991, gravou em Cabo Verde, Estados Unidos e Portugal o seu primeiro álbum, Folclore, lançado em Cabo Verde em 2017 e em Portugal no início de 2018.

Com uma voz que alia juvenilidade a um grão do tempo que ainda não teve, como se nela ressoassem ecos de cantares antigos, gravou mornas, mas também coladeiras e até um fado, Sou criola, com letra de José Eduardo Agualusa. Sonho dum criola (de Morgadinho), Doce guerra (Antero Simas), Um sonho cordode (Paulino Vieira), Divôrce um’ ca ta sená (Manuel D’Novas), Mata morte e Falta di força (ambos de Ti Goi) são alguns dos temas gravados.

Num momento que prepara novo disco e em que a UNESCO vota a morna para Património Imaterial da Humanidade, Cremilda Medina estará no Auditório do PÚBLICO para cantar e falar do seu trabalho – e da morna – com o jornalista Nuno Pacheco.