Narcotraficante pede nulidade do acórdão que revoga a sua libertação

Franklim Lobo está a ser julgado no âmbito da chamada Operação Aquiles.

Dois inspectores da PJ são arguidos na Operação Aquiles
Foto
Dois inspectores da PJ são arguidos na Operação Aquiles PAULO PIMENTA

O advogado do alegado narcotraficante de droga Franklim Lobo pediu nesta quinta-feira a nulidade do acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa (TRL), que revogou a suspensão da medida de prisão preventiva, num processo autónomo da Operação Aquiles.

No recurso a que a agência Lusa teve acesso, o advogado Vítor Carreto pediu a nulidade do acórdão, por violação das normas do Código do Processo Penal, por apresentar conclusões extensas iguais e que repetem o teor das alegações.

Vítor Carreto disse que o seu cliente vai apresentar-se às autoridades policiais só depois de a decisão transitar em julgado no sentido de voltar a cumprir prisão preventiva à ordem de um processo autónoma da chamada Operação Aquiles.

Apesar de tudo, vai continuar a apresentar-se todas as segundas-feiras na PSP de Cascais.

“Revogamos o despacho de não pronúncia proferido pelo Tribunal recorrido (…) com o cumprimento do contraditório, determinamos que o tribunal recorrido proceda à alteração da qualificação jurídica do crime de adesão a associação criminosa, pelo qual foi o arguido Franklim Lobo acusado e despronunciado, para o crime de promoção e liderança de associação criminosa (…) e, bem assim, apreciar da existência dos necessários indícios fortes e suficientes do crime a fim de submeter o arguido a julgamento”, refere o acórdão do TRL.

O TRL “revoga igualmente o despacho recorrido no que concerne à revogação da medida de coação de prisão preventiva aplicada ao arguido e substituição pelas medidas de coação de apresentações periódicas à segunda feira, proibição de se ausentar do distrito da sua residência e para o estrangeiro sem autorização do Tribunal e proibição de contactos com os demais arguidos do processo, e, em consequência, determina que o arguido Franklim Lobo aguarde os ulteriores termos do processo sujeito à medida de coação de prisão preventiva”.

A decisão surge na sequência de um recurso interposto pelo Ministério Público (MP) à decisão do juiz do processo de libertar Franklim Lobo da medida de coacção de prisão preventiva, por considerar que já não existia o perigo de fuga e havia uma atenuação do perigo de continuação da actividade delituosa.

O Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC) libertou a 24 de Julho passado Franklim Lobo, que estava em prisão preventiva após mandado de detenção europeu, por não estar fugido à justiça e não ter sido notificado da acusação por engano do Ministério Público (MP).

No final de Setembro, Franklim Lobo avançou com uma acção contra o Estado em que refere que esteve “preso preventivamente de 10 de Março a 22 de Julho de 2019, num total de 134 dias, por erro judicial”, motivo pelo qual o Estado “deve ser responsabilizado”.

Em 2014, quando foi libertado da prisão, onde estava a cumprir uma pena de oito anos por tráfico de droga à ordem de outro processo, Franklim Lobo foi autorizado pelo Tribunal de Execução de Penas a fixar residência em Málaga, Espanha, sem que o Ministério Público  se tenha oposto.

No âmbito da Operação Aquiles, em Abril de 2017 o MP notificou-o da acusação não para o endereço de Espanha, mas para uma antiga morada na Reboleira, concelho da Amadora, motivo pelo qual a carta registada foi devolvida e o arguido não foi notificado da decisão.

Por pensar que o arguido se encontrava em parte incerta, em Março de 2016 foi emitido um mandado de detenção europeu, que veio a ser cumprido em Março deste ano, com a detenção de Franklim Lobo em Málaga.

Pelo mesmo motivo, o tribunal decidiu julgá-lo em “processo autónomo” ao da denominada Operação Aquiles, que está em julgamento.

Esta operação conta com 27 arguidos, entre os quais dois inspectores-chefes da PJ, Carlos Dias Santos e Ricardo Macedo, que, segundo a acusação, teriam ligações ao mundo do tráfico de droga, fornecendo informações às organizações criminosas, que protegiam.

No decurso da investigação foram apreendidos mais de 900 quilos de cocaína e mais de 30 quilos de haxixe, bem como diversas viaturas e dinheiro, no montante de várias dezenas de milhares de euros.

Sugerir correcção